Luiz Fernando Corrêa é diretor de segurança do comitê e já foi membro da Polícia Federal

De acordo com informação publicada pelo jornal "Folha de S.Paulo" em sua edição desta sexta-feira, Luiz Fernando Corrêa, diretor de segurança do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016 e ex-diretor-geral da Polícia Federal, é suspeito de fraude.

Leia mais: Moeda das Olimpíadas ensina a regra do impedimento no futebol

Ao lado do delegado Odécio Carneiro e mais três empresas, Corrêa responde a uma ação de improbidade administrativa que apura a contratação, sem licitação, de um consórcio criado para fornecer equipamentos à área de segurança dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro-2007.

Blog Espírito Olímpico: A estranha 'meritocracia' do COB

Na última quarta-feira, Carneiro resolveu pedir demissão do cargo de diretor de logística da Secretaria de Segurança para Grandes Eventos do Ministério da Justiça. Durante o Pan-2007, ele foi coordenador-geral de tecnologia e informação da Polícia Federal.

E mais: Obras para Londres se aproximam de sua conclusão

O chamado "Consórcio Integração", formado por 11 empresas, recebeu do Ministério da Justiça R$ 170 milhões pelos equipamentos de segurança para o Pan. Segundo a Folha , o Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal apurou que foram realizadas compras acima do valor de mercado.

"Não foi feita nenhuma análise de preços para saber se eram compatíveis com o material que estava sendo adquirido. Isso afasta a boa-fé", disse o procurador Paulo Galvão em declaração publicada pela Folha . A defesa dos suspeitos tem 15 dias para prestar esclarecimentos e o Comitê Rio 2016 preferiu não comentar o caso, de acordo com o jornal paulista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.