Tamanho do texto

Suposta vítima teria dito aos advogados que havia feito sexo com o jogador de forma consensual, mas à polícia registrou caso de estupro

Neymar, jogador do PSG
AS.com / Reprodução
Neymar, jogador do PSG

O caso em que  Neymar é acusado de estupro ganhou mais um capítulo nesta segunda-feira. Em documento divulgado pelo "Jornal Nacional, da "TV Globo", o escritório de advocacia que defendia a mulher que fez a denúncia contra o jogador diz que ela apresentou versões diferentes do caso e por isso rescindiu o contrato com a suposta vítima. 

Leia mais sobre o caso Neymar:

O escritório Fernandes e Abreu Advogados afirma que a mulher disse que foi agredida, e não estuprada por Neymar - como ela citou de forma mentirosa no Boletim de Ocorrência.

Segundo os advogados, a suposta vítima disse primeiramente que tinha feito sexo consensual, mas que durante o ato Neymar teria ficado violento e a agrediu. Porém, depois deu queixa na delegacia relatando o caso como estupro. 

"No dia 31 de maio de 2019, registrou um Boletim de Ocorrência no qual capitulou o fato ocorrido como 'estupro', ou seja, alegação totalmente dissociada dos fatos descritos por você aos nossos sócios, já que sempre afirmou que a relação mantida com Neymar Jr. foi consensual, mas que, durante o ato, ele havia se tornado uma pessoa violenta, agredindo-a, sendo esse o fato típico central (agressão) pelo qual ele deveria ser responsabilizado cível e criminalmente", diz o documento dos advogados.

Leia também: Neymar, Robinho, CR7, Cuca, Mike Tyson... atletas acusados de estupro

O escritório de advocacia também admite que teve uma reunião com representantes do jogador na última quarta-feira (29 de maio). Porém, no encontro "foi rechaçada qualquer possibilidade de acordo extrajudicial na esfera cível por parte dos representantes de Neymar Júnior".

Por meio de uma nota, Gustavo Xisto, um dos advogados que defende Neymar, afirma que na reunião com os advogados da suposta vítima teria sido feito um pedido de "cala boca" para não levar o caso à polícia.

Leia também: Mbappé x Neymar: Elenco do PSG está rachado por 'regalias' do brasileiro

"Na oportunidade foi solicitada uma compensação financeira (“cala boca”) a Neymar para que a suposta vítima não relatasse as alegadas agressões às Autoridades Policiais", disse o advogado do jogador.

    Leia tudo sobre: futebol