Tamanho do texto

Brasileiro ficou atrás somente de Eleftherios Petrounias, atual campeão olímpico, e voltou ao pódio de um Mundial após duas edições sem medalha

O brasileiro Arthur Zanetti deu à ginástica artística do Brasil sua primeira medalha no Campeonato Mundial da modalidade, que acontece em Doha, no Qatar. Na final das argolas, nesta sexta-feira, Zanetti ficou com a medalha de prata, sua quarta em mundiais. O ouro novamente ficou para o grego Eleftherios Petrounias, algoz também no Rio 2016.

Leia também: Flavia Saraiva é Top 10 no individual geral feminino; Simone Biles bate recorde

Arthur Zanetti com sua medalha de prata ao lado do campeão Eleftherios Petrounias e do medalhista de bronze Marco Lodadio
Ricardo Bufolin/CBG
Arthur Zanetti com sua medalha de prata ao lado do campeão Eleftherios Petrounias e do medalhista de bronze Marco Lodadio

Arthur Zanetti chegou para sua apresentação pressionando e com excelente apresentação, alcançou a nota de 15,100, sendo 8,900 de execução. Foi sua melhor nota neste Mundial, mas insuficiente para superar o grego.

Ele, inclusive, foi o primeiro a competir. Eleftherios Petrounias, campeão olímpico no Rio 2016 e que venceu os dois últimos mundiais, mesmo competindo com uma lesão no ombro, melhorou sua nota em relação ao classificatório e alcançou 15,366.

Como seria o último a competir, Zanetti apenas acompanhava o desempenho dos adversários. Na penúltima apresentação, o italiano Marco Lodadio surpreendeu com uma nota excelente, 14,900, e ficou com a medalha de bronze.

Leia também: Seleção feminina comete erros e termina em sétimo na disputa por equipes

“Estou muito feliz com o meu resultado, neste retorno ao pódio. Posso dizer que fiz a minha melhor prova do ano. Todos os giros foram estendidos, não teve mexida e cravei a saída. Foi a melhor série que eu fiz, mas o importante foi ter voltado ao pódio em um Mundial.”, afirmou Zanetti, que já pensa no que terá pela frente até a Olimpíada de Tóquio, em 2020.

“Este resultado foi um passo. Ano que vem será outro passo, teremos mais algumas competições difíceis para encarar, mas acho que estamos seguindo no caminho certo”, analisou o medalhista brasileiro.

Esta foi a quarta medalha de Zanetti em Mundiais. Ele foi campeão do mundo em Antuérpia, na Bélgica (2013) e conquistou ainda duas de prata, em Tóquio, Japão (2011), e Nanning, na China (2014).

Leia também: “Falaram que eu queria meus 10 minutos de fama”, afirma Diego Hypólito

A medalha de prata de Arthur Zanetti foi também a 13ª medalha brasileira na história dos Mundiais de ginástica. Além das quatro que ele conquistou até hoje, são cinco para Diego Hypólito (duas de ouro, uma de prata e duas de bronze), uma para Daiane dos Santos (ouro), uma para Daniele Hypólito (prata) e duas para Jade Barbosa (bronze).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.