Tamanho do texto

Diego Hypólito disse como as pessoas receberam suas declarações sobre bullying e assédio sofridos e como foi a repercussão dos seus relatos

O medalhista olímpico Diego Hypólito participou do programa Melhor da Tarde, da Band, nesta quinta-feira. Além de relembrar alguns momentos marcantes de sua carreira, o atleta, mais uma vez, abriu o jogo e falou sobre o bullying  e assédio que sofreu durante a infância nos centros de treinamento esportivos.

Leia também: Após denúncias contra técnico, Diego Hypolito revela ter sofrido bullying sexual

Diego Hypólito após conquistar a medalha de prata nos Jogos Olímpicos do Rio
RicardoBufolin/CBG
Diego Hypólito após conquistar a medalha de prata nos Jogos Olímpicos do Rio

Logo no início do bate-papo, Diego Hypólito aproveitou para reforçar a importância de denunciar e principalmente a dificuldade de se fazer isso. “Crianças não são culpadas”, pontua o atleta, que prossegue: “O esporte é muito importante, mas o mais importante é a formação das crianças”.

No decorrer da conversa, ao ser questionado pela apresentadora Cátia Fonseca sobre a recepção das pessoas em relação às suas declarações, o campeão contou: “Muitos atletas me procuraram depois que falei, alguns positivamente, outros negativamente”. Ele explicou que muitos sentiram-se expostos ao perceberem que poderiam ser associados às situações narradas por terem treinado com o atleta, no mesmo clube e na mesma época.

Diego ainda relata que disseram que sua intenção era chamar a atenção: “Falaram que eu queria meus 10 minutos de fama. Quem com dez anos quer sentar em uma pilha? ”. Mesmo diante das críticas e desconfianças o esportista dispara: “Expor isso está sendo me libertar. Não tenho arrependimento nenhum de ter falado, me sinto bem”.

Ao longo do programa, o atleta ainda revelou que decidiu se manifestar em um momento em que não suportava mais, mas que essa não foi a primeira vez em que expôs seus sentimentos: “Na minha biografia, a qual eu estou adiando a publicação há algum tempo, eu relatei todas essas situações e, justamente por isso, tinha medo de publicar”.

Por fim, o ginasta também falou sobre sua agenda de competições e a situação com os patrocinadores: “Estou sem nenhum patrocínio individual e a ‘Caixa’ está deixando o patrocínio do meu clube”.

Leia também: Ginastas acusam ex-técnico da seleção brasileira de abuso sexual

As declarações

O ginasta e medalhista olímpico brasileiro Diego Hypólito, de 31 anos, revelou que foi vítima de bullying de cunho sexual na infância quando treinava no Flamengo, no Rio de Janeiro, onde treinou a maior parte da carreira. 

De acordo com Hypólito, ele sofria diversas intimidações de colegas de profissão, que envolviam práticas constrangedoras ao atleta.

"Eles me faziam ficar pelado e eu tinha que colocar uma pilha com pasta de dente no ânus. No dia em que isso aconteceu, eu tive um ataque epiléptico. Não consegui completar a prova. Era a questão da humilhação. O bullying era regular e tinha a conivência do técnico", revelou o ginasta.

Segundo Hypólito, o bullying ocorria "regularmente" e o episódio citado pelo atleta na entrevista ocorreu quando ele tinha entre 10 e 11 anos, em um Campeonato Brasileiro da modalidade disputado na cidade de Ribeirão Preto (SP).

Leia também: Ex-médico de ginastas dos EUA pega mais 125 anos de cadeia

O atleta ainda revelou que outras formas de intimidação eram realizadas quando Diego Hypólito não treinava bem ou fazia algo errado. Em uma das ocasiões, o ginasta contou que foi asfixiado em compensados estreitos de madeira, em locais claustrofóbico.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.