Tamanho do texto

Velódromo do Rio de Janeiro, no Parque Olímpico da Barra, é atingido por incêndio pela segunda vez em 2017

Em julho, além da cobertura, a pista do Velódromo também foi atingida por incêndio provocado por balões
Reprodução/Esporte Espetacular
Em julho, além da cobertura, a pista do Velódromo também foi atingida por incêndio provocado por balões

Na madrugada deste domingo (26), um incêndio atingiu a cobertura do Velódromo, no Parque Olímpico da Barra, na zona oeste do Rio de Janeiro. A Autoridade de Governança do Legado Olímpico (Aglo) lamentou o ocorrido, que danificou a cobertura do equipamento esportivo. Este é o segundo incêndio do ano no local, já que o primeiro aconteceu em 30 de julho.

LEIA TAMBÉM: Messi vê Barcelona melhor e mais organizado depois de saída de Neymar

De acordo com a autorquia, o motivo do novo incêndio foi a queda de um balão na cobertura. "Assim como já havia acontecido no último mês de julho, um balão atingiu uma parte do teto do Velódromo , que pegou fogo”, diz a Aglo, em nota oficial.

Além disso, a Aglo deixou claro que uma vistoria preliminar aponta que não houve nenhum tipo de dano à pista de ciclismo . Assim, revelou que "já tomou as medidas iniciais para o processo de reparos, inclusive com a limpeza do local”.

LEIA TAMBÉM: Felipe Massa antes da última corrida na F1: "Quero é me divertir"

O incêndio

O Corpo de Bombeiros local recebeu chamado para atendimento às 0h36. Segundo a própria corporação, os trabalhos no local foram realizados por bombeiros do Quartel da Barra da Tijuca, com a utilização de cinco viaturas. O controle do fogo teve fim por volta das 5h.

A Polícia Civil informou ainda que a delegacia da área não foi acionada para a realização de uma perícia no Velódromo. Após o primeiro incêndio do ano, a Aglo tomou algumas medidas, dentre elas, um pedido de registro de ocorrência na Polícia Federal. Por se tratar de um equipamento de responsabilidade do Ministério do Esporte, trata-se assim, de um crime de âmbito federal.

LEIA TAMBÉM: Ex-jogador da MLB morre em acidente de trânsito em Cuba

Logo após o primeiro incêndio, a Aglo publicou nota sobre a prática de soltar balões. “A prática de soltar balões é crime ambiental e, por isso, a autarquia repudia tal iniciativa. A expectativa é de que, após perícia, os envolvidos sejam devidamente penalizados por destruir o patrimônio público. Destacamos, ainda, que tomaremos todas as medidas necessárias para que o velódromo seja rapidamente recuperado e volte ao seu pleno funcionamento”, disse a entidade, em nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.