Tamanho do texto

Após divulgação de documentário, Enbo MMA Club é investigada por autoridades da China; academia conta com 400 garotos entre 10 e 14 anos

Crianças chinesas lutam na academia Enbo MMA Club em Chedgu
Reprodução
Crianças chinesas lutam na academia Enbo MMA Club em Chedgu

Uma academia de MMA em Chedgu, na província chinesa de Sichuan, está sendo fortemente investigada pelas autoridades do país por suspeita de adotar crianças abandonadas e assim, fazê-las lutar. De acordo com o site "China.org", cerca de 20 garotos já foram retirados do local.

LEIA TAMBÉM: Lutador de MMA morre após ser nocauteado nos Estados Unidos

De acordo com informações do jornal local "South China Morning Post", o fundador da academia afirma que o objetivo é tirar as crianças do crime. A Enbo MMA Club conta com mais de 400 meninos entre 10 e 14 anos de idade e estima-se que na China, existam pelo menos 60 milhões de crinças órfãs.

No entanto, as lutas nas quais os atletas da Enbo participam, o lucro fica administrado pela própria academia. Ao ser questionado se os garotos recebiam para lutar, um dos treinadores afirma: "Mais ou menos. Nós gerenciamos e damos a quantia que eles precisam". Sem contrato, os garotos que não tiverem destaque no mundo da luta são algumas vezes devolvidos, ou seja, se tornam órfãos novamente.

LEIA TAMBÉM: Quase fora do UFC, Ronda Rousey pode lutar MMA usando apenas lingerie

Documentário

O "clube da luta infatil" já havia sido divulgado anteriormente em um popular site do país. Nas imagens com seis minutos de duração, era possível ver uma multidão assistindo dois garotos de apenas 12 anos lutando em um ringue. O documentário foca na história de dois meninos em questão, Long e Wu, ambos com 14 anos de idade.

Pequeno Long, um dos meninos do local, conta que o pai faleceu e sua mãe "foi embora". "Aqui você tem tudo", afirma Pequeno Wu, que foi lá deixado pelos avós após a morte dos pais. "Comida, alojamento, roupas... Se eu voltasse para casa, era provável que estivesse fazendo algum trabalho braçal ou emprego de meio período".

LEIA TAMBÉM: Ex-campeão mundial de boxe confessa vínculo com narcotraficantes

No entanto, após a divulgação do documentário, as autoridades da China entraram em cena. Coloca-se em questão até qual ponto a academia explora ou fornece oportunidades para estas crianças. 

    Leia tudo sobre: luta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas