Tamanho do texto

Técnico do Dorados de Sinaloa diz que não existe diferença entre a Fifa comandada por Joseph Blatter e a que hoje é dirigida por Gianni Infantino

Sempre com opiniões fortes, o argentino Diego Armando Maradona, técnico do Dorados de Sinaloa, do México, afirmou nesta quinta-feira que não existe tanta diferença entre a Fifa que era comandada por Joseph Blatter e o momento atual da entidade máxima do futebol, que tem Gianni Infantino como mandatário.

Leia também: Maradona sobre fim de relacionamento: "Minha vontade era arrancar a cabeça dela"

Gianni Infantino, atual presidente da Fifa, e Maradona
Divulgação
Gianni Infantino, atual presidente da Fifa, e Maradona

"Disse a Gianni Infantino [presidente da Fifa] que renunciava ser capitão da equipe de lendas porque desde a saída de Joseph Blatter e Julio Grondona, nada mudou na Fifa", iniciou Maradona logo após a derrota de sua equipe para o Zacatepec, em partida na última quarta-feira.

Leia também: Maradona deixa hospital após cirurgia no estômago e recebe mensagem de Pelé

"Jogadores como Marco Van Basten, Ruud Gullit e eu fomos colocados em uma sala como cachorrinhos, uma falta de respeito total. Agora vou começar a dizer as coisas que sei sobre a nova Fifa", acrescentou o ex-jogador.

O argentino ainda mandou um 'recado' ao croata Zvonimir Boban, Secretário-Geral Adjunto da Fifa, por conta de um entrevero que os dois tiveram meses atrás quando se encontraram em um hotel onde estavam hospedados jogadores lendários do futebol.

Leia também: Maradona fala sobre Koulibaly e revela que também foi alvo de racismo na Itália

"Quero dizer a Boban, que é parte da Fifa e aceita estas coisas, que se quer fazer algo 'bonito', vamos um ringue. Que não fique zangado. O pior é que é mandado por Infantino. Não sou um menino de 20 anos, tenho 58 e me doem estas coisas, porque acreditava nas pessoas, agora já não confio mais", disse Maradona .

    Leia tudo sobre: futebol