Tamanho do texto

Benedetto abriu o placar para o clube xeneize, mas os Millonarios viraram o jogo em gols de Pratto, Quintero e Martínez, os dois últimos na prorrogação

River Plate bateu o Boca Juniors e faturou o título da Libertadores de 2018
Ole / Divulgação
River Plate bateu o Boca Juniors e faturou o título da Libertadores de 2018


O River Plate é o grande campeão da Copa Libertadores da América de 2018. A vitória por 3 a 1 sobre o Boca Juniors no superclássico argentino, no Santiago Bernabéu, em Madri, foi o quarto título da história do clube millonario - as conquistas do River foram em 1986, 1996, 2015 e agora em 2018.

Leia também: "Somos uma vergonha como país", diz Benedetto sobre final fora da Argentina

Depois de muitas polêmicas e ameaças dos dois clubes de não entrarem em campo, a grande decisão da Libertadores aconteceu no estádio do Real Madrid para um público de mais de 62 mil pessoas. O duelo de ida na Bombonera, em 11 de novembro, terminou empatado em 2 a 2.

Vale lembrar que a finalíssima deveria ter acontecido no último dia 24 de novembro, no Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, mas um ataque de torcedores do River Plate ao ônibus do Boca Juniors fez a Conmebol adiar a partida em alguns dias e remarcá-la para a Espanha por questões de segurança.

Confira fotos da final da Libertadores:

Leia também: Messi faz dois gols de falta contra Espanyol e tem melhor marca da Europa. Veja

Com o título garantido, o River será o representante do continente no Mundial de Clubes da Fifa, nos Emirados Arábes Unidos, e já entra em campo no próximo dia 18 de dezembro, na semifinal do torneio contra Espérance (Tunísia), Al Ain (Emirados Arábes) ou Team Wellington (Nova Zelândia).

A finalíssima da Libertadores

Final da Libertadores entre River Plate e Boca Juniors, em Madri, na Espanha
AS.com / Reprodução
Final da Libertadores entre River Plate e Boca Juniors, em Madri, na Espanha

O primeiro tempo em Madri foi bastante disputado e truncado, com os dois times argentinos protagonizando jogadas mais ríspidas. No entanto, mesmo com poucas chances, a equipe azul e amarela foi quem criou as melhores oportunidades na primeira metade do jogo.

Aos nove minutos, o zagueiro Maidana, do River, tentou fazer o corte após cruzamento e chutou para trás, quase marcando gol contra. Na batida do escanteiro, Izquierdoz desviou de cabeça e Pérez, de primeira, parou em defesa de Armani.

Mais tarde, Ponzio saiu jogando errado e cometeu falta na entrada da área. Benedetto bateu na barreira, mas a bola sobrou para Pablo Pérez na direita. O capitão do Boca finalizou e um carrinho providencial de Casco salvou o River neste lance.

No último minuto da etapa inicial, o River errou passe no ataque e o Boca Juniors saiu em contra-ataque mortal. Nández deu excelente passe em profundidade para Benedetto, que driblou Maidana, ficou cara a cara com Armani e só tocou no cantinho, abrindo o marcador.

Benedetto celebra gol do Boca Juniors contra o River Plate na final da Libertadores
Twitter/Reprodução
Benedetto celebra gol do Boca Juniors contra o River Plate na final da Libertadores

O River Plate voltou para o segundo tempo disposto a buscar pelo menos o empate e assustou logo aos dois minutos. Pratto fez o trabalho de pivô para Nacho Fernández chegar batendo com a perna esquerda, bem perto da trave de Andrada.

Com mais posse de bola, mais volume de jogo e melhor no duelo, os Millonarios conseguiram igualar o placar aos 22 minutos. Nacho Fernández tabelou com Palacios e só rolou para o centroavante Lucas Pratto empurrar para as redes, já com o goleiro do Boca batido na jogada.

Em uma das poucas investidas ofensivas na etapa final, o Boca teve a chance para marcar o segundo gol em uma falta em dois lances cometida por Pinola em cima de Nández, dentro da área. Mas Olaza chutou rasteiro e acertou a barreira adversária.

Lucas Pratto marcou o primeiro gol do River Plate sobre o Boca Juniors na final da Libertadores
Twitter/Reprodução
Lucas Pratto marcou o primeiro gol do River Plate sobre o Boca Juniors na final da Libertadores

Como ninguém mexeu mais no placar, o duelo foi para prorrogação. E logo no primeiro minuto do tempo extra, o volante Barrios foi expulso - segundo cartão amarelo -, deixando o Boca com um homem a menos.

Em vantagem numérica, o River tomou conta do restante da partida e criou chance atrás de chance. E aos três minutos do segundo tempo, o meia colombiano Quintero, que entrou no decorrer do jogo, soltou a bomba de fora da área e marcou um golaço, sem qualquer chance para o goleiro Andrada.

Leia também: Jordi Alba critica premiação da Bola de Ouro por ignorar Messi e alfineta Pelé

O Boca Juniors se abriu para tentar igualar o marcador e Carlitos Tevez entrou na vaga de Buffarini. E até o arqueiro Andrada se mandou para área tentando ser herói. Mas o goleiro Armani fez duas boas intervenções nos minutos finais, Pavon chegou a acertar a trave e o River Plate se segurou na defesa.

Nos acréscimos, no último lance da partida, o River puxou contra-ataque rápido e, sem goleiro e sem zagueiros, Pity Martínez avançou livre e só empurrou para o gol vazio. Terceiro tento e título da Libertadores de 2018 garantido em território espanhol.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas