Tamanho do texto

Em nota, o clube disse se sentir prejudicado e repudiou a decisão da Conmebol de transferir a final da competição para a Espanha

Boca Juniors e River Plate empataram a primeira partida da final em 2 a 2
Divulgação
Boca Juniors e River Plate empataram a primeira partida da final em 2 a 2

O River Plate se pronunciou oficialmente, na manhã deste sábado (01), a respeito da decisão da Conmebol de transferir a final da Libertadores para o estádio Santiago Bernabéu, em Madri, na Espanha.

Leia também: Grêmio ou Palmeiras no Mundial? Veja o que diz o regulamento da Libertadores

Na nota, o River deixou clara sua insatisfação com a mudança de local, e afirmou que se recusa a jogar a partida por se sentir prejudicado ao perder a condição de mandante, que teria no Monumental de Nuñez.

O comunicado cita ainda o G-20, e alega ser incompreensível a Argentina ter condições de receber o encontro dos principais líderes do mundo, e não conseguir realizar o clássico mais importante do país.

Confira a nota do River

A equipe argentina se recusa a jogar no estádio do Real Madrid
Divulgação
A equipe argentina se recusa a jogar no estádio do Real Madrid

Leia também: Daniel Alves critica final da Libertadores em Madri: "Maior vergonha que já vi"

- A partir da apresentação feita ontem, sexta-feira 30 de novembro, antes da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), o River Plate confirma sua recusa em mudar de local. O clube entende que esta decisão desnaturaliza a competição, prejudica os torcedores que adquiriram ingresso e afeta a igualdade de condições a partir da perda da condição de mandante.

- A responsabilidade pela falha na operação de segurança no sábado dia 24, ocorrida fora do perímetro do evento, foi assumida abertamente pelas mais altas autoridades do Estado. Isto equivale a dizer que o River Plate lamenta, se solidariza, mas não há responsabilidade do clube.

- Mais de 66 mil torcedores no estádio aguardaram pacientemente durante cerca de oito horas no sábado e voltaram a fazer pela segunda vez no domingo. A estes torcedores se nega agora, sem justificativa, a possibilidade de assistir ao espetáculo, em virtude da evidente diferença de custos e a distância da sede eleita (Santiago Bernabéu).

- É incompreensível que o clássico mais importante do futebol argentino não possa ser disputado com normalidade no mesmo após que nestes dias recebe o G-20. O futebol argentino em seu conjunto, e a Associação do Futebol Argentino (AFA) não podem e não devem permitir que alguns violentos atrapalhem a disputa do Superclássico em nosso país.

Boca também não quer jogar final

O ônibus do Boca Juniors foi apedrejado por torcedores do River Plate na chegada ao Monumental de Nuñez
Reprodução
O ônibus do Boca Juniors foi apedrejado por torcedores do River Plate na chegada ao Monumental de Nuñez

O Boca Juniors também se sente prejudicado com a decisão da Conmebol após o ataque ao ônibus do clube. Os Xeneizes querem que os rivais sejam responsabilizados pelo caso e eliminados da competição. A entidade apenas multou o River e puniu o clube com dois jogos sem torcida na próxima edição da competição sul-americana.

Na tentativa de ser declarado campeão nos tribunais, o Boca Juniors recorreu ao Tribunal Disciplinar, mas teve pedido negado. Agora o clube promete apelar ao CAS (Corte Arbitral do Esporte).

Leia também: Final da Libertadores faz Fifa vetar Copa do Mundo na Argentina, diz jornal

Caso  River e Boca decidam disputar final da Libertadores de 2018 conforme decidiu a Conmebol, a partida será realizada no Santiago Bernabéu, estádio do Real Madrid, no próximo dia 9 de dezembro.

    Leia tudo sobre: Futebol

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.