Tamanho do texto

Monumental de Núñez havia sido interditado após a confusão que adiou a decisão da competição sul-americana; Maradona culpa presidente Macri

A Prefeitura de Buenos Aires liberou na madrugada deste domingo o estádio Monumental de Núñez para a final da Copa Libertadores da América, entre River Plate e Boca Juniors, prevista para ocorrer a partir das 18h (horário de Brasília).

Leia também: Final da Libertadores é suspensa após confusão; Monumental é interditado

Prefeitura de Buenos Aires liberou o estádio Monumental de Núñez, do River Plate, para a  final da Libertadores 2018
Divulgação
Prefeitura de Buenos Aires liberou o estádio Monumental de Núñez, do River Plate, para a final da Libertadores 2018

O estádio havia sido interditado pelas autoridades da capital argentina no último sábado, após a confusão que adiou a segunda partida da final da Libertadores para este domingo. No entanto, de acordo com o jornal Olé , a interdição terminou durante a madrugada.

"A clausura foi levantada porque todos os elementos de segurança estão presentes", disse Ricardo Pedace, membro da Agência de Controle da Cidade Autônoma de Buenos Aires, ao diário esportivo. Disputada com torcida única, a final foi adiada após o ônibus do Boca ter sido apedrejado por fãs do River nos arredores do Monumental.

Veja nos vídeos abaixo:

Leia também: Carrasco da seleção na Copa de 1982, Paolo Rossi dará aulas a jovens brasileiros

Alguns jogadores, como o capitão Pablo Pérez, chegaram a ir ao hospital por causa de lesões nos olhos causadas por gás lacrimogêneo e estilhaços de vidro. A Conmebol, apoiada pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino, ainda tentou manter a partida no sábado, prorrogando seu início várias vezes, mas acabou valendo a vontade dos jogadores de Boca e River.

O clube xeneize, no entanto, ainda estuda pedir os pontos - e por consequência o título - da partida, usando o precedente de 2015, quando foi excluído da Libertadores por causa de um episódio semelhante, mas em La Bombonera e tendo o River Plate como vítima.

Em entrevista coletiva no México, o ex-craque Diego Armando Maradona, ídolo do Boca Juniors , afirmou que a confusão é reflexo da crise pela qual passa a Argentina e criticou o presidente Mauricio Macri, ex-mandatário xeneize.

Leia também: Arena Corinthians substituirá Allianz Parque no calendário da Copa América 2019

"Não há segurança, há roubos, o povo não come. O presidente prometeu e enganou muita gente que ia mudar isso e aquilo, e hoje estamos pior que em muito tempo", declarou. Em campo, a primeira partida da final da Libertadores , em La Bombonera, terminou empatada em 2 a 2.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.