Tamanho do texto

Por conta de práticas antissemitas cometidas por parte de sua torcida, diretoria do Chelsea quer aumentar punição e levar alguns a Auschwitz

O Chelsea deve tomar uma nova medida para combater o antissemitismo cometido por parte de seus torcedores. O dono do clube inglês, o russo Roman Abramovich, que é judeu, pensa em identificar os preconceituosos e fazer com que escolham entre perder o título de sócio ou viajar para Auschwitz , o mais conhecido campo de concentração nazista utilizado pela Alemanha liderada pelo ditador Adolf Hitler.

Leia também: Borussia critica nazismo após crescimento da extrema-direita na Alemanha

Entrada do antigo campo de concentração nazista de Auschwitz, onde o Chelsea quer levar torcedores antissemitas. Na frase, se lê, em alemão
Reprodução/Bloomberg
Entrada do antigo campo de concentração nazista de Auschwitz, onde o Chelsea quer levar torcedores antissemitas. Na frase, se lê, em alemão "o trabalho liberta"

A diretoria do clube inglês diz que já pune torcedores que entoam cânticos antissemitas, mas que levar essas pessoas para um local onde muitas pessoas foram torturadas e mortas, caso do campo de concentração nazista de Auschwitz, como o próprio presidente dos Blues, Bruce Buck, explicou, pode criar uma conscientização maior.

"Se somente proibir as pessoas de não entrar no estádio, nunca irá se mudar o comportamento. Essa nova política dá a oportunidade para os torcedores vejam o que foi feito e que se comportem melhor", disse em entrevista ao jornal inglês The Sun .

Leia também: Torcedor do Liverpool agredido por ultras da Roma em abril está paralisado

"Anteriormente, nós puniríamos os torcedores por cerca de três anos. Agora, nós dizemos 'você fez algo errado, mas tem opções. Podemos te banir ou você pode refletir sobre o que fez de errado", acrescentou.

Um dos casos mais "clássicos" de antissemitismo nos estádios praticado pela torcida dos Blues é quando o clube enfrenta o Tottenham. Parcela da torcida chama os rivais de "Yids" (em inglês), que é uma forma pejorativa de se dizer judeu. Um canto proferido ao atacante Álvaro Morata, com teor antissemita também pode ser ouvido em jogos em Stanford Bridge.

Leia também: Membros de organizada do Napoli agridem torcedores do Liverpool na Itália

Esta não será a primeira vez que o Chelsea levará alguns torcedores ao campo de concentração nazista de Auschwitz. Em 2017, um grupo de pessoas que cometeram o mesmo ato preconceituoso foram levados ao local juntamente com representantes do clube londrino.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.