Tamanho do texto

Adilson Durante Filho renunciou ao cargo de conselheiro após áudio com teor racista vazar nas redes sociais na última quinta-feira (18)

conselheiro do Santos
Reprodução
Adilson Durante Filho, conselheiro do Santos FC, que teve áudio com teor racista vazado

Na última quinta-feira (18) um áudio com teor racista do conselheiro do Santos Adilson Durante Filho, também conhecido como Adilsinho, vazou na internet e revoltou os torcedores do Peixe.

Leia também:  Agente de Gonzalo Carneiro cita depressão ao justificar doping por cocaína

Na gravação, Adilson conversa com um amigo chamado Caco e explica que ele deve desconfiar de todo pardo. “Essa cor é a mistura de uma raça que não tem caráter. É verdade, isso é estudo. Todo pardo/mulato você tem que tomar cuidado. São todos mau caráter, não tem um que não seja”, diz o conselheiro do Santos .

Logo após o primeiro perfil divulgar o áudio de 55 minutos de Adilson, a publicação viralizou nas redes sociais e os torcedores levantaram a hashtag #ExpulsaORacista pedindo a demissão do conselheiro.

No mesmo dia, o ex-diretor da base do clube divulgou um comunicado assumindo a autoria da gravação. Ele disse que o áudio era de ‘alguns anos atrás’. “Em um momento de infelicidade e levado pela emoção, em decorrência de um fato que muito me abalou, acabei me expressando de forma absolutamente diversa das minhas crenças e modo de agir”.

Adilson Durante Filho disse que se manifestou em um ‘pequeno grupo de supostos amigos de WhatsApp’ e pediu desculpas por ter ofendido alguém.

Ainda na quinta-feira, o Santos FC se pronunciou com uma nota oficial em suas redes sociais reiterando que desde os anos 60 é uma instituição que combate o racismo e citou Pelé, Pepe, Coutinho e Zito como símbolos do clube que é “produto da miscigenação”.

No sábado (20) pela manhã, Adilson protocolou no Conselho Deliberativo seu pedido de renúncia da função de conselheiro para o triênio de 2018/20 e o afastamento definitivo do quadro associativo, porém seu nome continua na lista do Conselho no site oficial do Santos FC.

O jornalista Lucas Musetti, setorista do Santos na Gazeta Esportiva, publicou no domingo (21) que alguns conselheiros do clube pensam em protocolar um requerimento para a expulsão de Adilson impedindo que ele pleiteie uma nova associação a médio prazo.

O requerimento poderia ser baseado no descumprimento do Artigo 03 do Código de Ética e Conduta do clube em que diz ser um dos deveres dos destinatários “respeitar e prover a diversidade e combater todas as formas de preconceito e discriminação em consequência de raça, cor de pele, nacionalidade, posição social, idade, religião, sexo, estética pessoal (...) ou qualquer outro fator de diferenciação individual”.

Leia também: Testemunha do caso Daniel acusa jogador de assédio em balada: "Forçou"

De acordo com o Artigo 20 do Regimento Interno do Santos, para que o Conselho Deliberativo apure responsabilidade de qualquer membro é imprescindível que no mínimo 20 (vinte) membros do Conselho solicitem a investigação.

Com o pedido acatado, o caso passa para a Comissão de Inquérito e Sindicância que tem até 30 dias para apresentar um parecer, tempo que Adilson teria para apresentar uma defesa.

Porém, segundo Musetti, nem todos os conselheiros estão convencidos da solicitação e até a edição desta matéria (terça-feira) nenhum documento foi apresentado à secretaria social.

Adilson Durante Filho faz parte do quadro de Conselheiros Eleitos e é filho de Adilson Durante, Conselheiro Efetivo do clube (membro com sete mandados consecutivas ou com mais de 20 anos de atuação na instituição).

Leia também:  Técnico da seleção equatoriana feminina é demitido após denúncias de assédio

Diretor das categorias de base entre 2002 e 2009, Adilson Filho era secretário-adjunto de Turismo na Prefeitura de Santos desde 2013 e foi afastado pelo prefeito Alexandre Barbosa (PSDB) que se declara afrodescendente. A remuneração de 19.000 ficará suspensa enquanto durar a licença de Adilson.