Tamanho do texto

Atleta se encontrou com duas mulheres em um bar de Varginha e acabou sendo condenado no processo que apurava falta grave

Goleiro Bruno segue preso em Minas Gerais
Reprodução/Sergio Dutti/VEJA
Goleiro Bruno segue preso em Minas Gerais

O goleiro Bruno Fernandes, que está preso em Varginha, no estado de Minas Gerais, sob a acusação de ter matado Eliza Samudio, foi condenado pela Justiça no processo que apura falta grave cometida por ele em outubro do ano passado.

Leia também: No embalo de Bruno, veja atletas que saíram da prisão e voltaram aos gramados

Na ocasião, o goleiro Bruno  deixou o seu local de trabalho na Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado) e foi flagrado num bar da cidade mineira, se encontrando com duas mulheres, consumindo bebida alcoolica e trocando mensagens por telefone celular.

Segundo a decisão publicada pelo juiz Tarciso Moreira de Souza, da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha, o atleta usou o celular de um encarregado da Apac para combinar um encontro com essas mulheres.

Leia também: Goleiro Bruno diz não ter certeza se é pai do filho de Eliza Samudio

"Ele traiu seus ideais, bem como a confiança que lhe foi depositada quando da concessão de autorização para o desempenho de trabalho externo na obra de construção da Apac", disse o juiz no processo.

Por conta disso, o ex-jogador de Flamengo , Corinthians e Atlético-MG perdeu o direito de trabalho externo e não poderá pedir a progressão da sua pena para regime semiaberto antes de fevereiro de 2023.

O novo local de cumprimento da pena será indicado pela Seds (Secretaria de Estado de Defesa Social).

Goleiro Bruno foi contratado pelo Boa Esporte após ser solto em 2017
Divulgação
Goleiro Bruno foi contratado pelo Boa Esporte após ser solto em 2017

Em entrevista ao jornal "O Tempo", o advogado Fábio Gama, que defende Bruno, disse que vai recorrer da decisão. "Repentinamente, o juiz manteve a decisão (da punição da falta grave), ao meu ver, totalmente desconecta com a realidade processual brasileira, afrontando aquilo que fora feito dentro da própria unidade prisional", disse.

Leia também: Empresário do goleiro Bruno é suspeito de matar enteado em Minas Gerais

O goleiro Bruno Fernandes foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão pelo envolvimento na morte de Eliza Samudio, além de sequestro e cárcere privado de Bruninho, seu filho fruto da relação com a ex-modelo. Ele chegou a deixar a cadeia no primeiro semestre de 2017 e atuou pelo Boa Esporte na 2ª divisão do Campeonato Mineiro, mas acabou sendo preso novamente. 

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.