Tamanho do texto

Lúcio Mauro de Melo Rodrigues está foragido desde a morte de Rodrigo da Silva Almeida, de apenas 20 anos de idade

Empresário do goleiro Bruno (último à esquerda, de preto) é acusado de assassinato em MG
Boa Esporte
Empresário do goleiro Bruno (último à esquerda, de preto) é acusado de assassinato em MG

O empresário Lúcio Mauro de Melo Rodrigues, de 44 anos, que foi o grande responsável pela contratação do goleiro Bruno pelo Boa Esporte , é suspeito de matar o enteado Rodrigo da Silva Almeida, de 20 anos, no município mineiro de Matozinhos, na Grande Belo Horizonte. O jovem foi assassinado com um tiro no peito na última quinta-feira.

Leia também: Mesmo preso, goleiro Bruno tem figurinha no álbum do Brasileirão

Lúcio é considerado foragido já que está desaparecido após o crime e não deu qualquer esclarecimento sobre o incidente. Segundo testemunhas, o agente do goleiro Bruno  atirou em Rodrigo ao tentar separar uma briga de casal e ser ameaçado de morte. A vítima seria usuária de drogas e tinha passagens pela polícia, segundo informações do "Estadão".

Leia também: Justiça de Minas expede mandado de prisão, Bruno se entrega e é preso

Acusado de homicídio, o empresário tentou entrar na vida política e foi candidato a vereador em Matozinhos, no ano passado. Com o nome "Lúcio Força do Bem" na sua campanha, ele concorreu pelo PSDB, obteve apenas 431 votos e não conseguiu se eleger.

Jogador segue preso

Bruno ganhou liberdade em fevereiro, foi contratado pelo Boa Esporte, fez poucas partidas pelo clube e depois voltou para prisão a pedido da Justiça. A defesa do jogador conseguiu decisão favorável do TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) para que o atleta cumpra o restante da pena pelo assassinato de Eliza Samúdio em Varginha, onde ele declarou ter residência fixa.

Bruno em ação pelo Boa Esporte
Uarlen Valerio / Reprodução
Bruno em ação pelo Boa Esporte

O retorno do goleiro à prisão foi determinado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no dia 25 de abril. Ele ficou em liberdade por dois meses, após habeas corpus concedido pelo ministro Marco Aurélio Mello.

Leia também: Bruno, Boa Esporte e a imagem do futebol. Vale a pena o risco?

O goleiro Bruno foi condenado em 2013 a 22 anos e três meses pelos crimes de homicídio triplamente qualificado contra Eliza Samudio , sequestro e ocultação de cadáver. Ele é apontado como mandante do assassinato da ex-amante, com quem teve um relacionamento e um filho. Ela desapareceu em 2010, aos 25 anos de idade, e seu corpo nunca foi encontrado. O atleta defendia o Flamengo na época, mas também jogou por Atlético-MG e Corinthians.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.