Tamanho do texto

Com a promulgação da lei 13.756 em dezembro de 2018, os clubes de futebol irão investir mais em patrocínio de sites de apostas no esporte

Fortaleza iniciou patrocínio da NetBet em seu uniforme
Reprodução
Fortaleza iniciou patrocínio da NetBet em seu uniforme

Em dezembro de 2018, o governo brasileiro promulgou a lei 13.756 que torna lícita a atividade de apostas esportivas no país. Seguindo a nova lei, o Fortaleza é o primeiro clube brasileiro a ter patrocínio de um site de apostas - o NetBet.

Leia também:  Clubes gastaram mais de R$ 25 bilhões com contratações em 2018, diz a Fifa

Além do Tricolor de Aço, o Vitória da Bahia também já começou a se movimentar para firmar um novo patrocínio com outro site do mesmo segmento.

O advogado da área de propriedade intelectual e desporto Luciano Andrade Pinheiro, do Corrêa da Veiga Advogados, afirma que com a aprovação da lei da aposta, o mercado do esporte brasileiro irá se desenvolver. “O patrocínio é só um dos benefícios. O interesse e a audiência no esporte tendem a crescer porque as apostas trazem mais emoção ao esporte”, ressalta.

Luciano também comenta sobre a taxa de integridade, criada por ligas americanda e que se equivalente a 1%, incidente sobre o total de dinheiro arrecadado com as apostas, que devem ser cobradas das casas e sites de apostas. A lei brasileira não previu essa taxa, mas há uma previsão de remuneração dos clubes de futebol de percentual de 1% e 2%, correspondente a royalties pelo uso dos símbolos.

“A despeito disso, mesmo antes da Lei Brasileira , a Federação Paulista de Futebol e a Confederação Brasileira de Futebol já firmaram contrato com empresas que monitoram a integridade dos jogos”, ressalta.

Leia também:  No 'De Bico com Cimatti', o jornalista comenta a volta de Carille ao Corinthians

O especialista em marketing esportivo, Rafael Plastina, da Sport Track Intelligence, explica que, de acordo com um levantamento feito pela empresa, existem mais de 50 empresas de apostas em todo mundo e 55 clubes de futebol na Europa já são patrocinadas por empresas do segmento como o West Ham (betway), Stoke City (bet365) e acredita que a tendência deve chegar também ao Brasil.

“Se tivesse que "apostar", cravaria que o Brasil será um mercado relevante globalmente em se tratando de apostas esportivas. Se tudo correr bem, com lisura, transparência, honestidade e controle, acredito que trará grandes oportunidades para o mercado como um todo”, afirma Plastina.

Ele ainda ressalta os benefícios dos patrocínios para os clubes . “Essa será mais uma oportunidade de amadurecer, reforçar suas estruturas, não somente de futebol, mas também de marketing e comunicação. Uma oportunidade também para os times mostrarem que podem ser mais que uma plataforma de exposição e marca que podem entregar sim, visibilidade, mas também engajamento e vendas”, destaca.

O patrocínio de sites de apostas a clubes de futebol é muito normal na Espanha. Metade das equipes da La Liga tem esse tipo de benefício como o Espanyol, Villareal e Atlético de Bilbao.

Leia também:  "Vou começar a dizer coisas que sei sobre a nova Fifa", revela Maradona

Mesmo com os lobbys das ligas americanas, nos Estados Unidos o patrocínio de casas de apostas esportivas foi legalizado apenas no início do ano passado. Entrando na liga mais rentável do país, a NFL, o mercado de apostas esportivas deve atingir oito bilhões de dólares até 2030 no país e influenciar outros países a adotarem a prática.

    Leia tudo sobre: futebol