Tamanho do texto

Equipe comandada por Jorge Sampaoli praticamente não deu chances ao rival durante todo o jogo e venceu com um gol em cada tempo no Pacaembu

Pela terceira rodada do Campeonato Paulista, na tarde deste domingo, no estádio do Pacaembu, o Santos recebeu o São Paulo e venceu por 2 a 0, mantendo os 100% de aproveitamento na competição frente a um público de 20.239 torcedores santistas. A equipe de Sampaoli, desta forma, abre vantagem no Grupo A do Paulistão, com nove pontos. Já o tricolor fica com seis pontos no Grupo D.

Leia também: Rodrygo elogia Vinicius Jr, futuro parceiro de Real: "Jogando como craque que é"

Zagueiro Luiz Felipe se antecipa à zaga do São Paulo para abrir o placar para o Santos
Ivan Storti/Santos FC
Zagueiro Luiz Felipe se antecipa à zaga do São Paulo para abrir o placar para o Santos

Os gols do Santos foram marcados pelo zagueiro Luiz Felipe, no fim do primeiro tempo, e pelo atacante Derlis González, em contra-ataque mortal já no meio da segunda etapa. Os destaques da partida foram os zagueiros Gustavo Henrique e Aguilar, que entrou muito bem, além do volante Diego Pituca, soberano no meio-campo, e do atacante González, muito participativo durante os 90 minutos.

Vale destacar ainda o método de jogo santista imposto por Jorge Sampaoli nas três primeiras rodadas e cada vez mais nítido. Pressão no campo de ataque desde o início e praticamente sem deixar que o São Paulo jogasse. Vanderlei, por exemplo, não fez uma defesa durante toda a partida. Os comandados por André Jardine sofreram com a ótima recomposição santista e velocidade nos contra-ataques. O próximo compromisso santista será contra o Bragantino, jpa os são-paulinos enfrentarão o Guarani.

O jogo

A partida começou como era esperado: o Santos com a bola e pressionando muito forte e o São Paulo fechado e em busca dos contra-ataques. A primeira boa chance, inclusive, foi desta forma, aos dez minutos. Helinho puxou para o meio e tocou para Reinaldo, que avançou com liberdade e bateu. A bola desviou e saiu para escanteio, que acabou por não resultar em nada.

O time santista, que já somava 70% de posse de bola, como já se mostrou característica neste início de trabalho de Jorge Sampaoli, criou a primeira boa chance aos 17 minutos. Diego Pituca ganhou de Hudson, fugiu da falta e deu passe milimétrico para Soteldo, que saiu na cara do gol, mas viu Tiago Volpi fechar bem o ângulo e defender.

O tricolor respondeu um minuto depois, quando Bruno Peres recebeu na direita, pedalou e bateu de perna esquerda para assustar Vanderlei, mas a bola passou rente à trave esquerda. Outra boa chance teve o escrete do Morumbi aos 24 minutos. Nenê recebeu na linha de fundo, girou e cruzou. Arboleda conseguiu cabecear, mas mandou direto para fora.

A equipe santista voltou a assustar aos 29 minutos. Após girar a bola, Orinho cruzou no segundo pau e Reinaldo não conseguiu cortar. A bola sobrou para Jean Mota, que dominou e finalizou, mas Tiago Volpi, bem posicionado, conseguiu defender com os pés. Logo depois, a defesa são-paulina rebateu e Alison bateu de primeira, mas mandou por cima. O lance serviu para levantar a torcida no Pacaembu.

Melhor jogador do primeiro tempo, Diego Pituca acertou novo passe fantástico para Derlis González, que pecou no preciosismo e parou em Volpi, que salvou pela terceira vez na partida. Quando o primeiro tempo se encaminhava para terminar sem gols, Nenê fez falta fora da jogada na lateral direita.

Jean Mota foi para a bola e cruzou. Luiz Felipe se antecipou a Arboleda e cabeceou antes que Tiago Volpi pudesse salvar e abriu o placar para o Santos, que controlou do início ao fim e foi muito bem. Aos 27, o àrbitro encerrou a etapa inicial.

Leia também: Técnico do PSG não estipula prazo para volta de Neymar: "Ainda é muito cedo"

Mesmo com a vantagem no placar, o Santos não mudou seu estilo de jogo. A pressão no campo de ataque continuou e a primeira oportunidade foi em cruzamento de três dedos de Soteldo, que Bruno Alves conseguiu cortar antes do desvio de Derlis González. Aos 14 minutos, nova chance santista com Copete, que dominou no peito, mas demorou para definir a jogada.

Aos 15, Diego Pituca arriscou após receber bola no meio e obrigou Tiago Volpi a fazer boa defesa. O São Paulo, aos 21 minutos, foi todo ao ataque para cobrar falta. A bola acabou parando na zaga e o time tricolor ficou todo aberto: fatal.

Derlis González observa a bola entrar ao finalizar e ampliar o placar para o Santos sobre o São Paulo
Ivan Storti/Santos FC
Derlis González observa a bola entrar ao finalizar e ampliar o placar para o Santos sobre o São Paulo

Alison percebeu que Derlis González passava pela esquerda e deu um lindo passe de primeira. O goleiro Tiago Volpi demorou para sair, o camisa 17 dominou, o driblou e chutou para o fundo do gol, ampliando a vantagem para o alvinegro no Pacaembu. E a equipe de Sampaoli continuou em cima. Aos 28, em bola alçada na área, o estreante zagueiro Aguilar foi pego de surpresa e quase fez o terceiro.

Já após os 32 minutos, a torcida santista passou a gritar "olé", visto que os comandados por André Jardine não assustavam o gol de Vanderlei, que não havia feito uma defesa sequer. Mas aos 37 minutos, após escanteio bobo cedido por Victor Ferraz, Éverton cabeceou praticamente sozinho, mas mandou por cima do gol, assustando os santistas.

Leia também: Com golaço e assistência de Keno, Pyramids empata clássico contra o Zamalek

Com mais de 40 minutos jogados, o tricolor paulista tentou chegar algumas vezes em bolas paradas, mas não obteve sucesso. O  Santos , com seus jogadores já demonstrando cansaço pelo ótimo jogo que fizeram, ainda teve uma chance com Derlis, que parou em Tiago Volpi, aos 46. Depois disso, o escrete alvinegro só administrou até o apito final do árbitro, aos 49 minutos.


    Leia tudo sobre: futebol