Tamanho do texto

Em entrevista, o zagueiro falou sobre sua vontade de deixar o São Paulo na próxima janela de transferências e se disse injustiçado pela torcida

Rodrigo Caio disse ser injustiçado pela torcida do São Paulo
Reprodução / Site oficial do São Paulo
Rodrigo Caio disse ser injustiçado pela torcida do São Paulo

Um dos jogadores mais criticados pela torcida do São Paulo, o zagueiro Rodrigo Caio falou sobre sua situação em entrevista ao programa "No ar com André Henning”, do Esporte Interativo, e admitiu que perdeu muito da paixão que tinha pelo clube.

Leia também: Campeão, Palmeiras emplaca cinco nomes no Bola de Prata do Brasileirão 2018

“Eu perdi muito dessa paixão. É normal quando você joga no seu time, mas também por tudo o que aconteceu. Eu vejo pelo meu pai. Se eu sou roxo, ele é o extremo, e ele não é (mais tão são-paulino). Eu vejo no olho dele. Às vezes a gente está falando do São Paulo e ele muda de assunto. Perdi um pouco por tudo o que passei, mas sempre vou amar e torcer pelo São Paulo. Se o culpado sou eu, no dia que eu sair espero que ganhe muitos títulos”, declarou Rodrigo Caio .

O zagueiro comentou também sobre sua relação com o uruguaio Diego Aguirre , e não poupou os treinador das críticas.

“Ele não dava abertura, é um cara fechado. O cara não vinha falar comigo. Nos três meses que fiquei na fisioterapia, o cara nunca foi lá perguntar como eu estava. Fiquei sem entender. Quando você monta um time para ser campeão, você tem que dar atenção para todos. Essa é a diferença dos treinadores de alto nível, é a gestão. Eu não via isso”, disse.

Rodrigo Caio se queixou também de uma oportunidade onde, em um treino, Aguirre preferiu utilizar um dos zagueiros suspensos do que colocá-lo na atividade.

“O Arboleda voltou da seleção e, com desgaste, não treinou. Ele colocou o Anderson Martins para treinar o tático e não me colocou. Fiquei louco da vida. Na hora que acabou o treino perguntei para o Raí o que tinha acontecido, disse que ali eu entendia que era algo pessoal, porque uma coisa dessas não se faz. Falei para o Raí e para o Lugano que não iria jogar mais de lateral, porque eu não iria ajudar, iria atrapalhar…Se machucassem todos os laterais e precisasse de mim, tudo bem. Mas tinha o Araruna para jogar ali. Contra o Palmeiras eu joguei de lateral-direito, estava bem, mas saí no intervalo. A culpa é de quem por que perdeu? Do Rodrigo, como sempre. Esse era meu pensamento quando eles começaram a me colocar de lateral. Vai dar uma coisa errada e a culpa vai ser minha”, afirmou.

Leia também: Jair Ventura é demitido do Corinthians; Fábio Carille é o provável substituto

Sobre as críticas dos torcedores, o zagueiro disse que sempre deu a cara a tapa, e que se sente imjustiçado assim como outros jogadores que passaram pelo São Paulo e hoje brilham em outras equipes do Brasil.

“A culpa de todos esses anos sem ganhar título é do Rodrigo Caio? Se eu estou no elenco todos esses anos é porque segurei a bronca e fiz por merecer. Muitos não aguentaram. Entravam no estádio, o estádio inteiro vaiando. E hoje o jogador é campeão em outros clubes. E o jogador não é ruim. Ou vai falar que o Maicon, do Grêmio, é ruim? É um dos melhores com quem joguei. E saiu como do São Paulo? Chutado. Meus companheiros falam que tenho uma cabeça fora do normal. Às vezes estou só aquecendo e tem gente me xingando…Eu sempre coloquei minha cara em todas as situações. O São Paulo perdeu, quem vai dar entrevista? Eu vou dar. Quem vai cobrar alguém? O Rodrigo. Eu nunca tive o respaldo de ninguém sobre isso. O Rodrigo colocou a cara dele, e qual imagem fica para a torcida? Todo o fracasso do São Paulo é culpa de quem? Do Rodrigo Caio. Sempre joguei em alto nível. A cobrança comigo é sempre elevada. Se o Rodrigo Caio está em campo e o time toma dois gols, a culpa é do Rodrigo Caio”, acrescentou.

Para finalizar a entrevista, o jogador afirmou que seu empresário trabalha em conjunto com o São Paulo para viabilizar sua saída do clube já na próxima janela.

Leia também: Com passagem por Portugal, "novo Luan" chega ao Grêmio e já fala em seleção

“Nesse momento não tenho nada concreto. Mudei de empresário recentemente, hoje estou com o Nick Arcuri, e está sendo trabalhado junto com o São Paulo. Acho que tudo tem que caminhar da melhor forma. O São Paulo precisa vender algum jogador, tem algumas possibilidades, e acredito que sou um dos que têm maior possibilidade. Pode não ser pelo valor de um ano atrás (o Real Sociedad ofereceu o valor da multa, 18 milhões de euros), mas pode ser por um valor considerável. Não estou jogando, e o São Paulo tem de ter essa consciência também”, finalizou Rodrigo Caio .

    Leia tudo sobre: Futebol