Tamanho do texto

Segundo Evellyn Brisola, o assassino confesso do jogador, Edison Brittes, pediu que ela preparasse um strogonoff depois da morte de Daniel

Evelin, de 19 anos, ficou com o jogador Daniel na noite anterior à sua morte
Reprodução/Átila Alberti/Tribuna do Paraná
Evelin, de 19 anos, ficou com o jogador Daniel na noite anterior à sua morte

A jovem Evellyn Brisola, de 19 anos, ficou com Daniel na noite anterior à sua morte e estava na casa da família Brittes no momento em que o jogador foi espancado por Edison, por supostamente ter tentado estuprar sua esposa, versão desmentida pela polícia.

Leia também: Justiça aceita denúncia contra acusados pela morte do jogador Daniel

Em entrevista para o "Tribuna da Massa", Evellyn disse que estava ao lado de Cristiana Brittes enquanto Daniel era levado para o matagal em que foi encontrado morto. A garota contou também que cozinhou strogonoff para Edison Brittes e família quando o assassino confesso voltou para casa.

O fato foi comentado também pelo delegado do caso, Amadeu Trevisan, que classificou o marido de Cristiana como doente.

“Ele é doente por agir dessa forma com frieza e com ausência de remorso. Tanto que ele volta para casa (após o crime) e pede para que limpem a casa e façam strogonoff para ele, que come mesmo depois de fazer aquilo tudo”, afirmou o delegado.

Leia também: Em vídeo, mãe de Daniel pede justiça e "punição no maior rigor da lei"

Morte do jogador Daniel: atleta tirou foto com Cris Brittes e mandou para amigo
Reprodução
Morte do jogador Daniel: atleta tirou foto com Cris Brittes e mandou para amigo

Evellyn Brisola é a única dos sete indiciados pela morte do atleta que não está presa. Ela responderá por fraude processual e falso testemunho, por ter incluído Eduardo Purkote, de 18 anos, na cena do crime.

Segundo a garota, o jovem teria pegado uma faca na cozinha e dado a Edison Brites, além de ter quebrado o celular de Daniel.  Com as investigações da polícia, essa possibilidade foi descartada.

Todos os homens envolvidos no caso responderão por homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, ocultação de cadáver e fraude processual.

Leia também: IML conclui que Daniel morreu degolado e pênis segue "guardado" para contraprova

Allana Brites foi denunciada por fraude e coação de testemunhas, e sua mãe, Cristiana Brittes, foi indiciada também por homicídio qualificado pela morte de  Daniel  . Segundo o promotor João Nilton, o crime não teria acontecido da maneira que ocorreu sem a atuação determinante da esposa de Edison. 

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.