Tamanho do texto

Ao todo, sete pessoas se tornaram reús por envolvimento na morte do atleta, encontrado morto no dia 27 de outubro em um matagal no Paraná

Meia do São Paulo, Daniel foi encontrado morto em matagal do Paraná
Site oficial
Meia do São Paulo, Daniel foi encontrado morto em matagal do Paraná

A Justiça aceitou nesta quarta-feira (28) a denúncia do Ministério Público do Paraná contra os sete envolvidos na morte do jogador Daniel Corrêa, de 24 anos, que foi brutalmente assassinado no mês passado em São José dos Pinhais (PR).

Leia também: Jovem que ficou com Daniel na noite da execução também será processada por crime

Com a denúncia acolhida pela juíza Luciane Regina Martins de Paula, da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais , todos os acusados passam a ser réus no processo. A magistrada também determinou sigilo das fotografias que fazem parte do laudo de necropsia, do exame pericial realizado no local da morte de Daniel e das testemunhas do crime.

Além da família Brittes (Edison, Cristiana e Allana), outras quatro pessoas foram denunciadas pelo promotor João Milton Salles, responsável pelo caso: Evellyn Brisola Perusso, Ygor King, David Vollero e Eduardo Henrique Ribeiro da Silva.

Os sete são acusados por crimes como homicídio, ocultação de cadáver, fraude processual, coação de testemunha, corrupção de menor e denunciação caluniosa.

O "Caso Daniel"

Morte do jogador Daniel: atleta tirou foto com Cris Brittes e mandou para amigo
Reprodução
Morte do jogador Daniel: atleta tirou foto com Cris Brittes e mandou para amigo

Leia também: Em vídeo, mãe de Daniel pede justiça e "punição no maior rigor da lei"

Daniel foi morto dia 27 de outubro, após ter participado da festa de aniversário de 18 anos de Allana, em uma boate de Curitiba. Toda a confusão começou no "after party" realizado na casa da família Brittes.

O jogador, que atuava no São Bento, de Sorocaba (SP), foi espancado na residência após ter sido flagrado na cama com Cristiana, esposa de Edison, também conhecido como "Juninho Riqueza".

Segundo a investigação, o meio-campista foi colocado desfalecido no porta-malas do carro da família, um Hyundai Veloster preto, e levado para um matagal de São José dos Pinhais. Horas depois, o corpo de Daniel foi encontrado com o pênis decepado e um corte profundo no pescoço.

Edison confessou ter matado Daniel e alegou que o jogador teria tentado estuprar sua esposa, mas a versão do autor do crime foi descartada pela polícia e pelo Ministério Público.

Leia também: IML conclui que Daniel morreu degolado e pênis segue "guardado" para contraprova

Natural de Juiz de Fora, em Minas Gerais, Daniel foi revelado pelo Cruzeiro e teve passagens por Botafogo, São Paulo, Coritiba, Ponte Preta e São Bento, que disputa a Série B do Campeonato Brasileiro.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.