Tamanho do texto

Treinador de 39 anos passou quatro anos entre categorias de base e o profissional e agora terá sua maior chance na carreira: "É uma honra"

O São Paulo anunciou neste domingo a permanência do técnico até então interino, André Jardine, de 39 anos, para a temporada 2019. Jardine foi auxiliar técnico durante 2018 e assumiu a equipe no fim do Campeonato Brasileiro após a saída de Diego Aguirre. Ele também já comandou equipes da base são-paulina nos últimos quatro anos.

Leia também: Prefeitura de Buenos Aires libera estádio do River para final da Libertadores

André Jardine, técnico efetivado do São Paulo para 2019, e Raí, ídolo do clube e atual executivo de futebol
Angelo Martins / saopaulofc.net
André Jardine, técnico efetivado do São Paulo para 2019, e Raí, ídolo do clube e atual executivo de futebol

"É uma honra e me enche de orgulho poder defender as cores de um clube que aprendi a amar. O ano de 2019 começa pelos dois últimos jogos deste ano, nos quais vamos lutar por uma vaga para a fase de grupos da Copa Libertadores", disse André Jardine  ao site do São Paulo após ser anunciado como treinador para o ano que vem

"A meta inicial é a construção de uma equipe de trabalho com uma ideia, uma identidade, que vamos buscar com muito treino, dedicação e cobrança. A partir do momento que a gente conseguir desenvolver algumas coisas através do treinamento, vamos confrontar nossa identidade com a de outras equipes, e nossa meta será fazer com que nossa ideia prevaleça, para que o São Paulo tenha o maior número possível de vitórias e se aproxime dos títulos", acrescentou.

Leia também: Arena Corinthians substituirá Allianz Parque no calendário da Copa América 2019

Executivo de futebol, o ex-jogador e ídolo Raí disse que a decisão foi tomada por convicção e veio como consequência do trabalho do técnico. "A definição pelo Jardine para comandar o time em 2019 é a conclusão de um processo que iniciamos em março, ao trazê-lo para a comissão técnica principal como auxiliar-técnico, e o início de um novo capítulo sobre o qual temos convicção", ponderou.

"Isso é baseado nos conceitos que ele apresenta e ambiciona, e na competitividade e na eficiência que as equipes dele sempre demonstraram na categoria sub-20. A escolha pelo Jardine é consequência do trabalho que ele desenvolve há quase quatro anos no São Paulo , em Cotia e na Barra Funda", concluiu Raí.

Leia também: Em vídeo, mãe de Daniel pede justiça e "punição no maior rigor da lei"

André Jardine já comandou o time principal do São Paulo em sete jogos entre 2016 e 2018, sendo quatro vitórias (Santa Cruz, Red Bull Brasil, CRB e Cruzeiro), um empate (Grêmio) e duas derrotas (Botafogo e Vasco). Natural de Porto Alegre, ele já passou por Internacional e Grêmio.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.