Tamanho do texto

De acordo com promotor do Ministério Público, o celular usado por Edison Britttes pertence a homem assassinado em 2016, em São José dos Pinhais

O jogador Daniel Corrêa foi assassinado no dia 27 de outubro
Erico Leonan/São Paulo FC
O jogador Daniel Corrêa foi assassinado no dia 27 de outubro

O suspeito da morte de Daniel, Edison Brittes , que já confessou ser o autor do crime, usou o celular de um homem assassinado em 2016 para ligar para a família do jogador e dar os pesâmes, conforme informou o promotor do Ministério Público do Paraná (MP-PR), João Milton Sales.

Leia também: Caso Daniel: suspeito jogou roupas com sangue e faca usada no crime em córrego

Em entrevista ao Boa Noite Paraná, da RPC, o promotor informou que o aparelho pertence a um homem morto na cidade de São José dos Pinhais, onde o corpo de Daniel foi encontrado.  O promotor questionou ainda: "Quem anda com o celular de um morto?".

Além do questionamento sobre o celular, João Milton Sales deu a entender que Edison tem envolvimento com o tráfico de drogas.

Caso Daniel: Polícia apreendeu motocicleta na casa da família Brittes que pode ter ligações com o tráfico
Reprodução/Instagram
Caso Daniel: Polícia apreendeu motocicleta na casa da família Brittes que pode ter ligações com o tráfico

“Ninguém fica andando com uma moto de um patrão do tráfico sem o consentimento dele, né?”, indagou o promotor.

Leia também: Suspeitos depõem e dizem que Daniel foi morto na caçamba de caminhonete

A moto citada é uma Cbr 1000Rr Fireblade, modelo esportivo da Honda, que custa em média R$ 60 mil. O suspeito aparece em algumas fotos na moto, com sua mulher, Cristina Brittes, na garupa.

Edison Brittes, a esposa Cristina e a filha Allana estão presos preventivamente. As mulheres são suspeitas de presenciar o espancamento do jogador e não reagir, além de coagir testemunhas. Todos os envolvidos até agora serão acusados de homicídio qualificado (crime por motivo fútil). 

David Willian Villero Silva, de 18 anos, e Igor King, de 20 anos, foram presos quinta-feira (08) em Curitiba e prestaram seus depoimentos sexta-feira (09). De acordo com as palavras dos jovens, a vítima morreu ainda na caçamba da caminhonete de Edison Brittes.

Leia também: Advogado de Edison Brittes, assassino de Daniel, nega sexo a três em festa

O terceiro acusado de participação no assassinato de  Daniel  , Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, primo de Cristiana Brittes, foi preso em Foz do Iguaçu na última quarta-feira e deve conversar com a Polícia Civil do Paraná na próxima semana. 

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.