Tamanho do texto

Segundo o delegado que investiga o caso, Edison Brittes se desfez das provas do crime antes de voltar pra casa, em São José dos Pinhais

Meia do São Paulo, Daniel foi encontrado morto em matagal do Paraná
Site oficial
Meia do São Paulo, Daniel foi encontrado morto em matagal do Paraná

A investigação da morte do jogador Daniel segue evoluindo. O delegado do caso, Amadeu Trevisan, informou nesta sexta-feira (09) que o assassino confesso, Edison Brittes , se livrou das roupas ensanguentadas antes de voltar para sua casa, em São José dos Pinhais.

Leia também: Autor de assassinato de Daniel pode ter envolvimento com o tráfico de drogas

De acordo com o delegado, o suspeito ficou com mãos e roupas cobertas de sangue após matar Daniel no dia 27 de outubro, e no caminho de casa, parou em uma loja e mandou David Willian Vollero Silva, acusado de ter ajudado no espancamento da vítima, a comprar novas vestimentas.  Depois disso, Edison teria jogado o material ensanguentado, e a faca usada para decepar o pênis de Daniel, em um córrego.

O responsável pelo caso relatou também que a arma usada para decepar o pênis do jogador foi, provavelmente, uma faca de churrasco de aproximadamente 30 cm, e descartou a possibilidade dela já estar no carro antes do crime acontecer, ele acredita que Edison pegou o objeto antes de deixar sua casa.

Caso Daniel: Polícia apreendeu motocicleta na casa da família Brittes que pode ter ligações com o tráfico
Reprodução/Instagram
Caso Daniel: Polícia apreendeu motocicleta na casa da família Brittes que pode ter ligações com o tráfico

Leia também: Advogado de Edison Brittes, assassino de Daniel, nega sexo a três em festa

Edison Brittes, a esposa Cristina e a filha Allana estão presos preventivamente. As mulheres são suspeitas de presenciar o espancamento do jogador e não reagir, além de coagir testemunhas. Todos os envolvidos até agora serão acusados de homicídio qualificado (crime por motivo fútil). 

David Willian Villero Silva, de 18 anos, e Igor King, de 20 anos, foram presos quinta-feira (08) em Curitiba e prestaram seus depoimentos sexta-feira (09). De acordo com as palavras dos jovens, a vítima morreu ainda na caçamba da caminhonete de Edison Brittes.

Leia também: "Não quero morrer, socorro", disse jogador Daniel antes de ser assassinado

O terceiro acusado de participação no assassinato de Daniel , Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, primo de Cristiana Brittes, foi preso em Foz do Iguaçu na última quarta-feira e deve conversar com a Polícia Civil do Paraná na próxima semana.


    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.