Tamanho do texto

Em mais uma partida marcada por polêmicas com o árbitro de vídeo, equipe argentina elimina o alviverde e fará final histórica contra o grande rival River

Ex-cruzeirense Ábila marcou um dos  gols que garantiram  o Boca na final da Libertadores
Divulgação
Ex-cruzeirense Ábila marcou um dos gols que garantiram o Boca na final da Libertadores

A final da Libertadores de 2018 já vem sendo tratada pela imprensa argentina como o "maior confronto da história". Após o River conseguir uma virada improvável , e polêmica, diante do Grêmio nesta terça-feira (30), chegou a vez do Boca eliminar o Palmeiras e se garantir na decisão da competição continental.

A equipe xeneize, que havia vencido na Argentina  pelo placar de 2x0, empatou por 2x2 no Allianz Parque na noite desta quarta-feira (31). Os gols que garantiram o Boca na final da Libertadores  foram marcado pelo ex-cruzeirense Ábila e por Benedetto, grande nome da partida de ida. Luan e Gustavo Gómez marcaram para o Palmeiras. 

Agora, os dois gigantes de Buenos Aires, que tem uma das rivalidades mais acirradas do futebol, vão se encontrar para uma disputa histórica de título. Essa será a primeira vez que dois times argentinos disputam o título da Libertadores. Com seis títulos, o Boca busca se igualar ao Independiente como maior campeão da história da competição. O River, por sua vez, tenta chegar ao seu quarto título da América.

Precisando vencer por pelo menos dois gols de diferença para ter esperanças de classificação, Felipão foi ousado e entrou com Lucas Lima de Deyverson nas vagas de Moisés e Borja. A mudança quase deu resultado quando, aos nove minutos, Lucas Lima lançou Deyverson na ponta esquerda e o centroavante deu bom passe passe para Willian, que cruzou para Bruno Henrique completar para as redes e abrir o placar para a equipe brasileira. No entanto, após consultar o VAR, o árbritro Wilmar Roldán pegou impedimento do camisa 16 e anulou o lance.

A anulação do gol abateu o Palmeiras, e Weverton foi obrigado a fazer grande defesa em desvio de Ábila logo no lance seguinte. Aos 17 minutos, no entanto, o goleiro palmeirense nada pode fazer quando o ex-atacante do Cruzeiro apareceu sozinho na grande área e desviou cruzamento de Villa para abrir o placar e dificultar ainda mais a vida do time da casa.

Por conta do regra dos gols marcados fora de casa, o Palmeiras precisava marcar quatro vezes para conquistar a vaga na final. Experiente, o Boca cozinhava o jogo e esperava pelo time brasileiro, que só chegou com perigo aos 25 minutos, em cabeçada de Gustavo Gómez bem defendida pelo goleiro Rossi.

Leia também: Grêmio vai à Conmebol para tentar classificação para final da Libertadores

No último lance da primeira etapa, mais polêmica: Dudu fez cruzamento da meia direita e, na confusão, a bola desviou na mão de Pérez antes de sair para a linha de fundo. O juiz nada marcou e não consultou o VAR, o que gerou revolta nos jogadores e na comissão técnica do Palmeiras.

Na volta do intervalo, Felipão deixou o time ainda mais ofensivo, com a entrada de Moisés na vaga de Bruno Henrique. Desta vez, a mudança surtiu efeito imediato e, em 15 minutos, o time da casa conseguiu a virada. Aos sete Deyverson desviou cruzamento na área e Luan pegou de primeira para empatar. Oito minutos depois, Dudu foi derrubado por Izquierdoz dentro da área e Gustavo Gómez bateu no canto esquerdo para aumentar as esperanças da torcida.

Aos 17, mais uma alteração de Luiz Felipe Scolari, que apostou na entrada de Borja na vaga de Willian. O colombiano por muito pouco não balançou as redes em seu primeiro lance na partida, mas acabou chegando atrasado na bola após ajeitada de Gómez.

Quem também entrou em campo ao mesmo tempo que Borja foi Benedetto, heroi do partida de ida ao marcar os dois gols da vitória xeneize. Aos 24 minutos, no momento de maior pressão palmeirense, o atacante recebeu na entrada da área, limpou o marcação e bateu no canto esquerdo para vencer Weverton e se confirmar de vez como o grande nome do confronto.

Assim como na primeira etapa, o time da casa demonstrou claro abatimento após sofrer o gol. Zárate quase aumentou a vantagem xeneize ao acertar a falta em cobrança de falta aos 31 minutos. Com Gustavo Scarpa na vaga de Felipe Melo, Felipão deu sua última cartada, mas o time já não respondia dentro de campo.

Um segundo tempo que começou em ritmo acelerado e com a esperança de um milagre palmeirense, terminou de maneira lenta e melancólica para o time brasileiro. Paciente, a equipe visitante trocou passes no campo de defesa e marcou com eficiência no meio para gastar o relógio e se garantir na final da Libertadores .

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.