Tamanho do texto

Raposa faz 2x1 no Timão em Itaquera e se isola como o maior campeão da história do torneio; árbitro de vídeo marca pênalti e anula gol corintiano

Cruzeiro é o primeiro time a conquistar a Copa do Brasil duas vezes consecutivas e o maior campeão da história do torneio
Divulgação
Cruzeiro é o primeiro time a conquistar a Copa do Brasil duas vezes consecutivas e o maior campeão da história do torneio

O Cruzeiro conquistou, na noite desta quarta-feira (17), o hexacampeonato da Copa do Brasil . A Raposa garantiu a taça ao vencer o Corinthians em Itaquera pelo placar de 2x1. Robinho e Arrascaeta anotaram os gols da Raposa e Jadson fez o gol corintiano. O título garante uma vaga para a equipe celeste na fase de grupos Libertadores de 2019.

Leia também: Corinthians "dá chapéu" na Chevrolet e faz ação com a Renault para final

Com o resultado, o Cruzeiro se isola como o maior campeão da história da Copa do Brasil, com seis títulos, deixando para trás o Grêmio, que tem cinco conquistas. A Raposa também é o primeiro clube na história a vencer a competição por duas vezes consecutivas.

A final desta quarta-feira foi marcada pelas interferências fundamentais do VAR. O árbitro de vídeo ajudou a marcar um pênalti duvidoso para o Corinthians, mas também anulou um gol do Timão por uma falta na origem da jogada.

Corinthians 1 x 2 Cruzeiro

Arrascaeta viajou 25 horas para jogar a final da Copa do Brasil e foi o herói da partida
Divulgação
Arrascaeta viajou 25 horas para jogar a final da Copa do Brasil e foi o herói da partida

Após perder em Minas Gerais por 1x0, o Corinthians tomou a iniciativa da partida em Itaquera. Mantendo a posse de bola e apostando no trio de ataque formado por Romero, Emerson Sheik e Jonathas, o Timão dominava as ações nos primeiros minutos, mas tinha dificuldades de se infiltrar na defesa celeste.

Bem postado na defesa, o time mineiro fazia valer a vantagem conquistada dentro de casa. Gigante, Dedé ganhava todas dos atacantes adversários. As dificuldades para entrar na zaga adversárias deixaram os jogadores do Timão nervosos. Só no primeiro tempo, quatro jogadores corintianos tomaram cartão amarelo.

Leia também: Ex-São Paulo, lateral Régis é detido por tentar invadir casa de vizinhos

A vida do time da casa ficou ainda mais difícil aos 27 minutos: Léo Santos errou feio e Barcos recebeu na entrada da área. O argentino finalizou com efeito e a bola carimbou a trave. Na sobra, Robinho ficou com a bola e balançou as redes de Cássio.

Cinco minutos após o gol, a Raposa quase matou o jogo, quando Dedé apareceu dentro da área após cobrança de falta e cabeceou na trave. A única boa chance do Corinthians na primeira etapa aconteceu aos 35, quando Henrique recebeu cruzamento e testou firme na direção do gol, mas a bola passou à esquerda da meta defendida por Fábio.

Na volta do intervalo, o Corinthians seguiu pressionando e, aos sete minutos, o VAR fez sua primeira aparição na partida. Dentro da área, Ralf protegeu a bola, se enrolou com Thiago Neves e caiu. O juiz não marcou nada, mas, após ser chamado pela equipe de vídeo, apontou pênalti duvidoso para a equipe da casa. Na cobrança, Jadson bateu com frieza, no canto esquerdo e empatou a partida.

Leia também: Atlético Mineiro anuncia demissão do técnico Thiago Larghi

Dez minutos depois, o Timão conseguiu a virada, quando Pedrinho, que havia acabado de entrar na vaga de Jonathas, bateu de muito longe e acertou o ângulo de Fábio. No entanto, o VAR novamente chamou o árbitro, que anulou o gol por conta de uma falta de Jadson em Dedé na origem da jogada.

O Corinthians sentiu o golpe, e Jair Ventura promoveu as entradas de Clayson e Mateus Vital nas vagas Sheik e Gabriel. Aos 36, Pedrinho pisou na bola e o Cruzeiro armou contra ataque rápido com Raniel, que enfiou linda bola para Arrascaeta. O uruguaio ganhou da marcação na velocidade, botou na frente e encobriu Cássio com um leve toque para marcar um golaço, que seria o do título celeste.

O uruguaio, que começou a partida no banco de reservas, viajou por 25 horas para conseguir disputar a final após jogar um amistoso pela seleção de seu país.

Valente, o Timão seguiu pressionando nos minutos finais da partida, mas assim como na primeira etapa, esbarrou numa impecável defesa do Cruzeiro,  que segurou o adversário com competência para garantir o hexa da Raposa.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.