Tamanho do texto

O zagueiro do Barça ficou empolgado com a vitória quase impossível em cima do PSG por 6 a 1 e comemorou: "Hoje é dia de fazer muito amor"

Gerard Piqué, camisa 3 do Barcelona
Divulgação
Gerard Piqué, camisa 3 do Barcelona

Depois do Barcelona vencer o Paris Saint-Germain de virada, Gerard Piqué era um dos muito entusiasmados com o feito quase impossível. Aos 43 minutos do segundo tempo, o placar estava em 3 a 1 para o time catalão, mas ainda era necessário marcar outros três gols para poder garantir uma vaga nas quartas de final da Liga dos Campeões.

LEIA TAMBÉM: Barcelona entra para o clube de incríveis "remontadas" históricas recentes

A virada milagrosa aconteceu e a partida terminou em 6 a 1 para o Barcelona. Piqué , zagueiro do vitorioso, se empolgou com a vitória e pediu reforços aos hospitais, porque a comemoração seria intensa. Afinal, não é todo dia que se consegue reverter um 4 a 0 e anotar a maior "remontada" da história do campeonato.

"Que contratem muitas enfermeiras nos hospitais de Barcelona nos próximos nove meses, porque hoje é dia de fazer muito amor", disse o espanhol, que é casado com a cantora colombiana Shakira. "Será uma noite dura para aqueles que torceram pela nossa derrota, mas amanhã o sol voltará a sair".

LEIA TAMBÉM: PSG retorna à França sob protestos e Thiago Motta atropela torcedor; assista

Partida histórica

"Parabenizo Luis Enrique, a comissão técnica, jogadores e fãs, que não pararam de torcer. Acreditamos na virada e conseguimos. É um feito histórico que será lembrado para sempre. Isso nos dará ainda mais energia na Champions League", disse Josep Maria Bartomeu, presidente do Barcelona.

Aos 25 anos, o brasileiro Neymar foi o autor de dois gols decisivos nos últimos minutos que antecederam o final do jogo, um aos 42 e outro aos 46 minutos do segundo tempo. Aos 49, ainda deu assistência à Sergi Roberto para o último e decisivo gol da vitória.

LEIA TAMBÉM: Espanhol Xabi Alonso anuncia aposentadoria ao final da temporada

"Nós jogamos com alegria, eles não conseguiram tocar bem a bola. Percebemos um pouco de medo (no time do PSG). Nós acreditamos em nossos jogadores, em nosso time e fizemos história. Foi o melhor jogo da minha vida. Estou em um momento muito bom. Um time como o Barcelona pode virar qualquer partida",  afirmou o camisa 11 e companheiro de Piqué.

    Leia tudo sobre: futebol