Tamanho do texto

Steve Kerr revelou ser contra a segunda emenda da Constituição Americana, que dá ao cidadão americano o direito de manter e portar armas de fogo

Steve Kerr ao lado de Stephen Curry arrow-options
Getty
Steve Kerr ao lado de Stephen Curry

Após o massacre de El Paso, que deixou 22 mortos e outros 24 feridos na cidade do Texas, o técnico do Golden State Warriors, Steve Kerr, manifestou sua preocupação com a possibilidade de atletas da NBA sofrerem ataques semelhantes.

Em entrevista ao Mercury News, o treinador tricampeão da NBA , crítico constante do livre comércio de armas nos Estados Unidos, disse que ninguém está livre do risco de um atentado semelhante no país.

"Penso sobre isso o tempo inteiro. Alguém poderia andar em direção à porta do ginásio e abrir fogo contra nós com um (fuzil) AR-15. Isso pode acontecer porque todos nós estamos vulneráveis, quando vamos a um show, à igreja, ao shopping, ao cinema ou à escola", ressaltou o técnico do Golden State Warriors .

Sem citar diretamente o presidente Donald Trump, Steve Kerr fez críticas à segunda emenda da Constituição Americana, aprovada em 1971 e que garante ao cidadão americano o direito de manter e portar armas .

"Cabe a nós, como americanos, exigir mudança da liderança covarde que continua a permitindo que isso aconteça e afirmando que a segunda emenda está fazendo seu trabalho. A segunda emenda é sobre o direito de você se defender. A única coisa que a segunda emenda está fazendo agora é permitir assassinatos em massa. Isso é uma insanidade", completou o técnico do Golden State.

Antes do início da próxima temporada da NBA, Steve Kerr disputará como auxiliar técnico de Gregg Popovich o Mundial Masculino de Baquete, que acontece de 31 de agosto a 15 de setembro.

Atuais bicampeões, os americanos disputarão a competição sem as principais estrelas da NBA . Ainda assim, é formado por alguns jogadores de destaque da liga, como Kemba Walker, Donnovan Mitchell, Kyle Lowry, Khris Middleton, Jayson Tatum e Kyle Kuzma. O Brasil também participa da competição e está no grupo D, ao lado de Grécia, Montenegro e Nova Zelândia.

    Leia tudo sobre: NBA