Tamanho do texto

Há cinco anos, o alemão sofreu grave acidente quando esquiva nos Alpes Franceses. Desde então, pouco se sabe sobre seu estado de saúde

Mercedes foi a última equipe de Michael Schumacher na Fórmula 1
Divulgação
Mercedes foi a última equipe de Michael Schumacher na Fórmula 1

A família do heptacampeão da Fórmula 1 , Michael Schumacher, divulgou nesta quarta-feira (21), uma  entrevista gravada com o piloto em outubro de 2013, pouco mais de um mês antes dele se acidentar em uma estação de esqui nos Alpes Franceses.

Leia também: Ayrton Senna não estava feliz com sua vida e bastante chateado com Schumacher

O acidente completa cinco anos em dezembro de 2018, e o verdadeiro estado de saúde de  Schumacher  continua sendo um grande segredo, guardado minuciosamente pela família do alemão.

A primeira pergunta respondida pelo piloto aos seus fãs foi sobre o campeonato mais emocionante de toda sua carreira.

"Sem dúvida o de Suzuka em 2000, com a Ferrari, depois de 21 anos sem a equipe ganhar e quatro anos de luta para mim, finalmente vencemos. Uma corrida excecional, um grande campeonato".

Recorditas de títulos e vitórias na Fórmula 1, o alemão afirmou que sempre procurou trabalhar mais e não se acomodou com as glórias.

“Os recordes são uma coisa, e as dúvidas acredito que são muito importantes para você não ter uma confiança muito grande, para ser cético e buscar melhorar e dar o passo seguinte. Sempre pensei: Não sou muito bom. Tenho de trabalhar mais”.

Em um momento de reflexão, Michael disse que olhar apenas para o carro não era suficiente, e que procurava conhecer e tirar algo da convivência com outros colegas de profissão.

“Você não tem apenas que olhar para o carro, tem de olhar para si mesmo, para os outros pilotos, tem de olhar para todo mundo. Assim como eu fiz, porque todo mundo tem algo especial que eu quero conhecer”.

Leia também: Ex-chefe de Schumacher diz que visita o alemão duas vezes por mês e faz mistério

Assim como muitos pilotos, Schmacher começou no kart, e falou da importância da modalidade na formação de um piloto.

"O talento é muito importante no automobilismo, como em qualquer outro esporte, mas é algo que se precisa trabalhar. O kart é uma boa base para mostrar o talento, mas também para encontrar outras habilidades necessárias para ser piloto".

Michael revelou ainda que na infância se inspirava no brasileiro Ayrton Senna e também em um jogador de futebol de sobrenome comum.

"Quando era criança e praticava kart, sim, vi Ayrton Senna e Vincenzo Sospiri, que admirava porque para ser um bom piloto. Mas o meu ídolo era Toni Schumacher, porque era um grande jogador de futebol".

Leia também: Filho de Schumacher conquista primeiro título da carreira aos 19 anos

Em 3 de janeiro, Schumacher completaria 50 anos de idade. Recentemente, a esposa do alemão afirmou que o piloto segue em sua luta pela vida: "Todos nós sabemos que o Michael é um lutador e jamais desistiremos", disse Corinna.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.