Tamanho do texto

Equipe mineira superou o Sesc RJ por 3 sets a 0 no segundo jogo da decisão e, na sequência, levou a melhor no Super Set por 25/18, em Uberlândia

Dentil/Praia Clube vence Sesc RJ e é campeão da Superliga feminina
Wander Roberto/InovaFoto/CBV
Dentil/Praia Clube vence Sesc RJ e é campeão da Superliga feminina

O Dentil/Praia Clube é o grande campeão da Superliga feminina de vôlei da temporada 2017/2018. Neste domingo, a equipe mineira levou a melhor sobre o Sesc RJ por 3 sets a 0 (25/19, 25/23 e 25/17), no ginásio do Sabiazinho, em Uberlândia (MG).

Leia também: Tandara se torna a maior pontuadora em uma temporada da Superliga de vôlei

Na sequência, o time do treinador Paulo Coco precisou encarar o Super Set – já que o time carioca havia vencido o primeiro duelo, no Rio de Janeiro, por 3 a 1 – e também venceu, desta vez por 25/18, ficando com a medalha de ouro da Superliga feminina pela primeira vez na história da competição.

O treinador Paulo Coco comentou sobre a conquista e fez questão de parabenizar o grupo pelo resultado e a superação ao longo da temporada.

"Esse título é a realização do trabalho de toda a temporada. Jogadores e toda a comissão técnica sempre acreditaram nesse projeto. A equipe demostrou um brio muito grande, passando por muitas dificuldades e obstáculos", comentou.

Dentil/Praia Clube vence Sesc RJ e é campeão da Superliga feminina
Wander Roberto/CBV
Dentil/Praia Clube vence Sesc RJ e é campeão da Superliga feminina

"Vencemos o Sesc RJ pela primeira vez, terminamos a temporada em primeiro na fase classificatória e enfrentamos cruzamentos difíceis tanto nas quartas de final contra o Vôlei Bauru como nas semifinais contra o Vôlei Nestlé. O tabu mais difícil foi vencer o Sesc RJ na decisão. Soubemos dar a volta por cima e tenho que agradecer toda essa cidade que nos apoiou ao longo de toda a temporada", disse Paulo Coco.

A central Fabiana também falou sobre o título conquistado nesta temporada. “Foi uma grande premiação para toda a equipe e para Uberlândia. Estamos fazendo história e fico super feliz com a sensação de dever cumprido. Agora só falta comemorar o meu casamento”, brincou a jogadora, que também agradeceu aos torcedores mineiros.

Leia também: Jogadora é expulsa de time de vôlei por postar foto "muito sexy" no Instagram

“A cidade me abraçou desde que eu cheguei, sou mineira e me senti em casa aqui em Uberlândia. Gosto muito daqui e fico muito feliz de ter ajudado a conseguir esse título para a cidade”, explicou Fabiana.

VivaVôlei para Claudinha

A levantadora Claudinha brilhou na decisão e, em uma atuação segura nos quatro sets disputados neste domingo, foi eleita a melhor da partida em votação popular no site da CBV (Confederação Brasileira de Voleibol) e ficou com o Troféu VivaVôlei Cimed.

Bastante emocionada no final do duelo, a levantadora agradeceu o apoio de todo o grupo e comemorou a conquista do título. “Foi um ano de muito trabalho. Essa equipe viveu momentos maravilhosos e merecia esse título. Fizemos um primeiro turno espetacular e um segundo um pouco abaixo".

"Os playoffs foram muito difíceis e isso acabou nos preparando para a final. Conseguimos sair de uma grande dificuldade depois de perder o primeiro jogo no Rio. Posso dizer que a Claudinha esta saindo mais fortalecida dessa temporada e sabendo cada vez mais o papel de uma levantadora dentro de quadra”, afirmou Claudinha.

Primeiro título de Fernanda Garay

Fernanda Garay em ação
Wander Roberto/CBV
Fernanda Garay em ação

De volta ao voleibol brasileiro depois de quatro temporadas no exterior, a ponteira Fernanda Garay encerrou a temporada 2017/2018 com seu primeiro título de Superliga - a principal competição do calendário do voleibol brasileiro.

Maior pontuadora da equipe mineira na competição, a jogadora fez questão de ressaltar o valor de todos os envolvidos no projeto Dentil/Praia Clube e, ainda, a importância da conquista deste título sobre um adversário tão forte como o tradicional Sesc RJ, dono de 12 títulos.

“Estou realmente muito feliz. Acredito que contribuí bastante nesta temporada, não somente eu, mas cada uma das pessoas envolvidas. Nós, atletas, comissão técnica, os profissionais do Praia Clube, dos nossos patrocinadores, todos", comentou.

"Era um projeto que estava querendo muito essa conquista e estou muito contente por fazer parte desta história. Ter sido campeã em cima de um time tão tradicional engrandece ainda mais a nossa conquista. Vencemos de um time campeão de tudo, que tem muito mérito e que sabia lidar com esses momentos de decisão. O primeiro jogo não foi o que esperávamos, mas hoje conseguimos crescer e nos superar”, explicou Fernanda Garay.

A boa forma de Walewska

Aos 38 anos, a central Walewska liderou o Dentil/Praia Clube (MG) ao primeiro título da competição. A atacante e capitã da equipe mineira terminou a temporada como a atacante mais eficiente da Superliga Cimed feminina e garantiu que estará em quadra pelo menos mais um ano.

"É muito bacana quebrar essa hegemonia do Sesc RJ. Perdemos o primeiro jogo fora de casa e conseguimos nos superar diante da nossa torcida vencendo quatro sets. Chegamos muito fortalecidas depois de playoffs difíceis e sempre acreditamos que podíamos ser campeãs. O projeto merecia esse título e fico muito feliz”, disse Walewska, que ainda falou sobre sua boa forma física.

“Estou me cuidando há muitos anos. Pretendo jogar mais uma temporada que será a minha última. Ainda estou jogando em alto nível e por isso vou jogar mais um ano. Foi uma vitória muito importante e estou feliz de ter chegado bem fisicamente no final dessa temporada”, finalizou Walewska. 

O adeus de Fabi

Uma das melhores líberos da história do vôlei mundial se despediu das quadras neste domingo. A bicampeã olímpica Fabi colocou o ponto final em um vitoriosa carreira na final da Superliga feminina 17/18. A defensora foi um dos destaques da campanha das cariocas e, muito emocionada ao final da partida, falou sobre a decisão de encerrar a carreira.

“É uma decisão difícil que já vinha amadurecendo há algum tempo. Acompanhei esses dias as despedidas do Dante e do André Nascimento que foram dois jogadores que me inspiraram. Independentemente de qualquer coisa tinha tomado essa decisão há algum tempo", disse.

"Estou feliz porque durante 20 anos eu fiz o que eu mais gostava na vida, que é jogar vôlei. Jamais poderia imaginar que chegaria tão longe. Vitória ou derrota faz parte, mas o meu sentimento é de dever cumprido. O voleibol me deu uma oportunidade na vida de me tornar uma pessoa melhor e terminar a carreira disputando uma final de Superliga é muito bacana”, explicou Fabi. 

A líbero do Sesc RJ ainda falou sobre a final da Superliga. "O Dentil/Praia Clube jogou muito hoje e mereceu esse título. Foi uma equipe montada para ser campeã. Sabíamos que seria difícil. Fico triste pela derrota, mas lutamos bastante durante toda a temporada", disse Fabi, que ainda deixou uma mensagem para os fãs do vôlei.

"A entrega sempre tem que ser a máxima em tudo na vida. É um privilégio fazer e viver do esporte. Quem me viu na quadra espero que tenha visto muita dedicação e amor pelo que faz”, finalizou.

O jogo

Dentil/Praia Clube vence Sesc RJ e é campeão da Superliga feminina
Wander Roberto/CBV
Dentil/Praia Clube vence Sesc RJ e é campeão da Superliga feminina

O Dentil/Praia Clube fez o primeiro ponto da partida. Bem no bloqueio, as cariocas abriram três pontos (5/2) e o treinador Paulo Coco pediu tempo. A paralisação fez bem as mineiras que viraram o marcador (6/5). As visitantes cresceram de produção e voltaram a liderar o marcador (8/7). Com volume de jogo, as cariocas abriram dois pontos (10/8).

Se aproveitando dos erros do Sesc RJ, o time mineiro virou o placar (14/12). Bem no saque, o time do treinador Bernardinho voltou a empatar o marcador (14/14). O set ficou disputado ponto a ponto. Com Fernanda Garay bem no ataque, as mineiras fizeram 20/17. As donas da casa foram melhores até o final e venceram o primeiro set por 25/19.

O Sesc RJ fez 2/1 no início do segundo set. Bem no bloqueio, as mineiras fizeram 5/3. Com volume de jogo, as cariocas empataram (6/6). A levantadora Claudinha conseguiu um ace e a diferença no placar voltou para dois pontos (8/6). Bem no bloqueio, o time carioca virou o marcador (10/9).

A levantadora Roberta conseguiu uma boa sequência de saques e a diferença no placar subiu para três pontos (15/12).  Com Claudinha bem no saque, as mineiras encostaram (18/17) e o treinador Bernardinho pediu tempo. O final da parcial foi disputado ponto a ponto e o Dentil/Praia Clube levou a melhor na segunda parcial por 25/23.

O Sesc RJ fez os três primeiros pontos do terceiro set. O Dentil/Praia Clube cresceu de produção e empatou (4/4). Quando as mineiras fizeram 8/6, o treinador Bernardinho pediu tempo. O time mineiro seguiu melhor e abriu seis pontos (14/8). Bem no ataque, as mineiras fizeram 18/12. O bloqueio das mineiras era eficiente e o time do treinador Paulo Coco venceu o terceiro set por 25/17 e forçou a realização do super set.

Super Set

O Dentil/Praia Clube fez os dois primeiros pontos do Super Set. O Sesc RJ cresceu de produção e empatou (3/3). A parcial ficou disputada ponto a ponto. Com um ponto de bloqueio, as cariocas voltaram a empatar o marcador (7/7). O time carioca se aproveitou dos erros das mineiras e abriu dois pontos (13/11).

Leia também: Tifanny se defende de críticas: "Estou aqui simplesmente porque tenho talento”

Bem no saque, as donas da casa voltaram a virar o placar (15/13). A ponteira Drussyla conseguiu um ace e as cariocas empataram (15/15). O time mineiro voltou a abrir no marcador (18/15) e o treinador Bernardinho pediu tempo. O Dentil/Praia Clube foi melhor até o final da parcial e venceu o Super Set por 25/18, faturando o título da Superliga feminina .