Tamanho do texto

Experiente velejador estava em vigília quando os ventos sopravam a 68 km/h; John Fisher caiu no mar, que estava com temperatura de 9ºC

John Fisher, velejador britânico que residia na Austrália
Reprodução
John Fisher, velejador britânico que residia na Austrália

Nesta última segunda-feira (26), um velejador britânico caiu no mar no sul do Oceano Antártico , durante etapa da Volvo Ocean Race . John Fisher, de 47 anos de idade, competia a sétima prova da prova, que vai de Auckland, na Nova Zelândia, a Itajaí, em Santa Catarina. Em mar agitado, ele desapareceu. A organização do evento afirmou nesta terça-feira (27), que o homem foi dado como morto.

Leia também: Velejador tenta quebrar recorde e navegar de Londres a Hong Kong em 40 dias

Veterano da regata Sydney-Hobart, o velejador competia com a equipe Sun Hung Kai/Scallywag em um iate de quase 20 metros. Nascido em Southampton, atualmente residia em Adelaide, na Austrália. No momento do incidente, Fisher estava em vigília e usava um equipamento de dobrevivência adequado. O vento estava a cerca de 68 km/h e a temperatura do mar era de 9ºC.

Leia também: Sara Sálamo, namorada de Isco, é ameaçada de morte por baixo rendimento do meia

Assim, um navio de resgate foi enviado ao local onde se encontravam os velejadores da Sun Hung Kai/Scallywag, no entanto, presume-se de que este só chegará daqui um dia. Por várias horas e com a ajuda de outras embarcações, os companheiros de equipe fizeram buscas por John Fisher . Ainda assim, não tiveram resultados e a organização da prova deu o atleta como morto.

Com condições desfavoráveis, a equipe fez a difícil decisão de seguir viagem. "A SHK / Scallywag, portanto, tomou a difícil decisão de virar na direção do vento e seguir para a costa da América do Sul, a terra segura mais próxima, a aproximadamente 1.200 milhas náuticas de distância", afirmaram os organizadores.

Leia também: Jogador salva companheiro de equipe inconsciente após colapso; assista vídeo

Comunicado da organização

"Dada a temperatura fria da água e o estado extremo do mar , além do tempo que já passou desde que ele caiu, agora precisamos presumir que ele se perdeu no mar", disse Richard Brisius, presidente da corrida, em um comunicado oficial. "A equipe está, claro, emocional e fisicamente esgotada depois do que acabou de vivenciar. Nosso único foco agora é dar todo o apoio e a assistência que pudermos à equipe", acrescentou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.