Tamanho do texto

Surfista da praia de Maresias (SP) foi atleta do esporte mais bem pago do ano; campeão mundial em 2014 desembolsou R$ 1,23 milhão em 2017

Gabriel Medina foi o surfista mais bem pago do ano de 2017
WSL/ Damien Poullenot
Gabriel Medina foi o surfista mais bem pago do ano de 2017

O mundial de surfe teve fim, como de praxe, no Havaí, e o caneco ficou pela segunda vez consecutiva com o local John John Florence. No entanto, engana-se quem pensa que o campeão do mundo foi o que mais lucrou no ano de 2017. O surfista mais bem pago de toda a temporada foi o brasileiro Gabriel Medina.

LEIA TAMBÉM: Neymar consola amigo Gabriel Medina após vice no Mundial de Surfe

Apesar de ter sido o vice-campeão, se levarmos em conta somente as quantias recebidas pelas 11 etapas do circuito, o surfista de Maresias levou 374 mil dólares. O valor equivale a cerca de R$ 1,23 milhão e representa entre todas as participações, a vitória de Medina em dois campeonatos, um segundo lugar e dois terceiros.

O bicampeão John John, no entanto, teve apenas uma vitória nas 11 etapas. Mas além de ter ficado em segundo lugar em também um único campeonato, teve quatro terceiros lugar. Assim, foi o líder do ranking por conta da pontuação geral e desbancou o brasileiro por 59,600 a 53,700 pontos.

LEIA TAMBÉM: Surfistas prestam homenagem a Jean da Silva no Havaí; assista vídeo emocionante

Confira os 10 surfistas mais bem pagos do CT de 2017:

1º GABRIEL MEDINA (Brasil): US$ 374.750 (R$ 1.232.065,58)
2º JOHN JOHN FLORENCE (Havaí): US$ 322.500 (R$1.060.283,25)
3º FILIPE TOLEDO (Brasil): US$ 303.000 (R$ 996.173,10)
4º JORDY SMITH (África do Sul): US$ 284.250 (R$ 934.528,73)
5º JULIAN WILSON (Austrália): US$ 282.250 (R$ 927.953,33)
6º MATT WILKINSON (Austrália): US$ 271.750 (R$ 893.432,48)
7º ADRIANO DE SOUZA (Brasil): US$ 232.250 (R$ 763.568,33)
7º OWEN WRIGHT (Austrália): US$ 232.250 (R$ 763.568,33)
9º JEREMY FLORES (França): US$ 220.750 (R$ 725.759,78)
10º KOLOHE ANDINO (Estados Unidos): US$ 203.250 (R$ 668.225,03)

LEIA TAMBÉM: Brasil vai contar com 11 representantes no Mundial de Surfe em 2018

Além dos três brasileiros dentre os 10 mais bem pagos, há ainda os outros seis que fizeram parte do CT de 2017. Caio Ibelli, 18º colocado do ranking, lucrou R$ 513.267 mil. Ítalo Ferreira, o 22º, levou para casa R$ 340.565 mil e Ian Gouveia, o 23º da lista de 2017, recebeu R$ 451.601 mil. O filho de Fábio Gouveia, inclusive, apesar de não ter estado dentre os 22 colocados que se classificam para o circuito em 2018, recebeu o wildcard da WSL e irá continuar na elite.

Na 25ª posição, aparece Miguel Pupo, que levou R$ 432.542 mil, seguido de Wiggolly Dantas, que lucrou R$ 420.941 mil nas competições da elite do surfe. Por fim, o brasileiro Jadson André, 32º colocado do ranking em 2017, que recebeu R$ 391.94 mil.

    Leia tudo sobre: surfe