Tamanho do texto

Única atleta do Brasil a já ter conseguido vaga nas quatro modalidades do ISA World Sup and Paddleboard Championship, ubatubense busca patrocínio

Aline Adisaka vem de uma família de Ubatuba voltada ao surfe
Allan Granda
Aline Adisaka vem de uma família de Ubatuba voltada ao surfe

A paulista Aline Adisaka tem mais um grande desafio no mundo do surfe. A atual bicampeã brasileira de SUP wave, campeã brasileira de sprint race e vice brasileira de SUP race garantiu as vagas para o mundial de Stand Up Paddle e Paddleboard. O evento acontecerá na Dinamarca , mas atualmente sem patrocinador, a atleta corre contra o tempo para conseguir custear as despesas da viagem.

LEIA TAMBÉM: Saiba tudo sobre o surfe e estilo de vida do esporte

A local de Ubatuba é a única atleta do surfe  brasileiro que já garantiu vaga em todas as quatro provas do evento, mas optou por competir em três, onde têm chances reais de títulos. "Lutei bastante tempo para conseguir conquistar uma vaga no ISA Games e hoje, graças a Deus, consegui algo inédito, que nenhum atleta, entre homens e mulheres havia conquistado antes, vagas nas quatro modalidades", comemora Aline. 

Aline Adisaka, surfista brasileira
Reprodução
Aline Adisaka, surfista brasileira

“Não falo isso para me vangloriar de forma alguma, reconheço que foi Deus quem permitiu este feito. Falo isso apenas para servir de inspiração e motivação a pessoas para acreditarem, terem fé e lutarem pelos seus sonhos, por mais impossíveis que pareçam”, complementa.

LEIA TAMBÉM: Conheça Sage Erickson, surfista campeã do US Open em Huntington Beach

Arrecadação

Para conseguir ir à Escandinávia, promove uma campanha de financiamento coletivo na internet e vende equipamentos especiais para alcançar o valor necessário. “Estou vendendo pranchas, remos usados, roupas que não uso mais e também dos meus irmãos e estou tendo um grande apoio da família, amigos e admiradores do meu trabalho. Ainda tenho esperança de conseguir fechar parceria com alguma empresa”, diz Aline.

LEIA TAMBÉM: Surfista congela a barba em onda a quase zero grau; confira

O Mundial começa no primeiro dia de setembro e embora ainda não tenha arrecadado nem metade da do valor, ela afirma: "Não vou desistir. O mais difícil já consegui, que são as vagas e não se pode comprar”, revela Aline Adisaka , que competirá na sprint race (velocidade – 200 metros), na race técnico (obstáculos) e no surfe, abrindo mão da prova mais longa (18 km).

    Leia tudo sobre: surfe