Tamanho do texto

Laura Enever foi queimada na região do pescoço e peito, sendo obrigada a deixar a bateria faltando ainda cerca de oito minutos para o final

Laura Enever, 10ª colocada no ranking do mundial de surfe 2016
WSL/ Ed Sloane
Laura Enever, 10ª colocada no ranking do mundial de surfe 2016

Os atletas da elite do surfe já estavam preparados para entrar no mar na terça-feira (14), mas as condições não favoreceram para que o circuito começasse na data prevista. Adiado em um dia, o tour de 2017 foi estreado pelas meninas, que abriram a temporada em Gold Coast, na Austrália.

LEIA TAMBÉM: Saiba tudo sobre o surfe e estilo de vida do esporte

O primeiro dia de competição do circuito mundial de surfe do foi marcado por um imprevisto. Enquanto participava da quinta bateria do primeiro round, a local Laura Enever foi queimada por dezenas de águas-vivas da espécie caravela portuguesa, cnidário que pode provocar queimaduras de até terceiro grau. Algumas das queimaduras da australiana aconteceram nas regiões do pescoço e peito. Ela então, deve que abandonar a disputa. 

Logo em seguida, a WSL, liga responsável pelo evento, publicou um vídeo do momento em que a surfista de 25 anos deixa o mar e tranquilizou os fãs: "Ela está ok".

LEIA TAMBÉM: Surfista abandona reality show após ser atacada nua por mosquitos

Águas-vivas

Por necessitar de cuidados médicos, Laura Enever saiu do mar faltando ainda quase oito minutos para o fim da bateria. Sendo a terceira e última colocada da sua prova com 2.43 pontos, a australiana foi automaticamente classificada para a repescagem.  

A surfista foi atendida pelos médicos por quase 20 minutos, pois teve uma reação alérgica com as queimaduras no pescoço, que poderiam interferir em sua respiração. "Eu recebi algumas picadas, mas felizmente eu não sou alérgica, por isso dói só por alguns instantes e eu estou bem", disse Carissa Moore, que estava na mesma bateria de Laura. 

LEIA TAMBÉM: Kelly Slater polemiza ao pedir morte de tubarões; veja o porquê

De acordo com informações do "Gold Coast Bulletin", as águas-vivas não estavam tão próximas da costa quando a comissária feminina de surfe da WSL, Jessi Miley-Dyer, permitiu o início da campetição. No entanto, os fortes ventos trouxeram os cnidários para perto do local das baterias. 

    Leia tudo sobre: surfe