Após a oitava morte causada por tubarões na Ilha Reunião, o maior surfista de todos os tempos fez um apelo às autoridades francesas

Kelly Slater, 11 vezes campeão mundial de surfe
WSL/ Tony Heff
Kelly Slater, 11 vezes campeão mundial de surfe

Na semana passada, um jovem surfista foi vítima de ataque de tubarão na Ilha Reunião, departamento ultramarino francês, localizado no oceano Índico. O atleta e ídolo do surfe que cresceu no local, Jeremy Flores, publicou em sua conta do Instagram uma homenagem à Alexandre Naussance, de 26 anos.

LEIA TAMBÉM: Saiba tudo sobre o surfe e estilo de vida do esporte

Kelly Slater, 11 vezes campeão mundial de surfe , fez um comentário na imagem que causou polêmica. "Honestamente, eu não vou ser o mais querido por dizer isso mas é necessário que haja um sério abate diário na Ilha Reunião. Há um claro desequilíbrio acontecendo no oceano lá. Se o mundo inteiro tivesse essa taxa de ataque, ninguém usaria o oceano e literalmente milhões de pessoas estariam morrendo assim. O governo francês precisa descobrir isso o mais cedo possível. 20 ataques desde 2011?", escreveu Slater.

LEIA MAIS: Conhece as "Kardashians do surfe"? Confira fotos das irmãs australianas

A declaração de abate aos animais gerou controvérsias, já que Slater é um grande protetor dos oceanos e defensor da natureza. Na mesma semana do comentário, inclusive, o surfista lançou um vídeo "Não está tudo bem", no qual defende a proteção dos mares e oceanos do mundo. Com a repercussão causada, Kelly Slater publicou uma imagem com o comentário que fez na foto de Jeremy Flores e na legenda, se explicou sobre o caso.

Please say what you feel you need to say to me below. I promise I'll read all the comments and respond if I can. I have been an environmental activist and voice for more campaigns than I can remember. I've worked with Rhinos in South Africa to bring awareness and education to the poaching issues they experience. I've been a vocal opponent to #SharkFinning and find it a despicable practice which has no place in our world. I've worked with the @bosfoundation and raised funds for the protection and awareness around the plight of the Orangutans. I want to become vegan due to the treatment and slaughter of the most defenseless and innocent animals on this planet. I produce clothing from discarded fishing nets to help clean up the mess left behind by fishing industry. My heart is in the right place but now I am being vehemently attacked by the people I have most identified with for the majority of my life. Humans are the biggest threat to life on earth as most creatures know it. But they are also the most capable and able to fix the issues we face. My comments were in reaction to another death of a kid following his passion. I know more about this issues than 99+% of people commenting yet I still don't know enough. I was in no way advocating for a worldwide destruction of any species. In fact, there's a chance many more species of sharks and other sea life could thrive without the over abundance of bull sharks in Reunion Island ravaging the local environment. This is not about me having fun and being selfish for my sport. This is a human and environmental issue. Attacking me will do no good in the conversation that will continue to need to happen for resolution around this topic. I have never personally killed even a single shark in my lifetime and am not fronting an effort to do so. So say what you need to say and let's get on with where this needs to go. Maybe something good will come of it.

Uma publicação compartilhada por Kelly Slater (@kellyslater) em

Leia na íntegra:

"Por favor, diga o que você sente que precisa me dizer aqui embaixo. Eu prometo que irei ler todos os comentários e responder se eu puder. Eu tenho sido um ativista ambiental e voz para mais campanhas do que eu posso me lembrar. Eu trabalhei com rinocerontes na África do Sul para trazer consciência e educação para as questões de caça furtiva. Eu fui um oponente ao comércio ao 'Shark Finning' (comércio de barbatanas de tubarões) e acredito ser uma prática desprezível que não possui lugar em nosso mundo.
Eu trabalhei com a Fundação Bos e levantei fundos para a proteção e consciência sobre a situação dos orangotangos. Eu quero me tornar vegano por causa do tratamento e maneira de abate dos animais mais indefesos e inocentes deste planeta. Eu produzo roupas de redes de pesca descartadas para ajudar a limpar a bagunça deixada para trás pela indústria pesqueira.
Meu coração está no lugar certo mas agora eu estou veementemente atacado pelas pessoas que mais me identifiquei pela maior parte da minha vida. Os seres humanos são a maior ameaça à vida na Terra, mas eles também são os mais capazes de corrigir os problemas que enfrentamos.
Meus comentários foram em reação sobre outra morte de um garoto que seguia sua paixão. Eu sei mais sobre essas questões do que 99% das pessoas comentando, mas ainda eu não sei o suficiente. Eu não estava defendendo uma defendendo uma destruição de nenhuma espécie. Na verdade, há chances de muitas outras espécies de tubarões e outros seres do mar que poderiam prosperar sem a abundância de "tubarões-cabeça-chata" devastando o ambiente local na Ilha Reunião. Não se trata de me divertir e estar sendo egoísta com o meu esporte.
Esta é uma questão humana e ambiental. Me atacar não vai fazer bem à conversa que será necessário que continue a acontecer para a resolução deste tópico. Eu nunca matei um único tubarão em toda a minha vida e eu não farei isso. Então diga o que você precisa dizer e vamos continuar até onde isso precisa ir. Talvez algo bom venha disto."

LEIA MAIS: Três jovens promessas do surfe brasileiro para ficar de olho em 2017

Em seis anos, oito pessoas foram mortas por tubarões na Ilha Reunião. Quase todas as praias do local estão proibidas para a prática do surfe e duas delas ainda são protegidas por redes. No entanto, as ondas da ilha são consideradas umas das melhores do mundo e muitos surfistas ainda assumem o risco.

    Leia tudo sobre: surfe
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.