Tamanho do texto

No ano passado, o surfista de 23 anos recebeu R$ 19,5 milhões em prêmios

Gabriel Medina é o surfista brasileiro mais bem pago de 2016
WSL / Kirstin
Gabriel Medina é o surfista brasileiro mais bem pago de 2016

Na lista dos top 10 surfistas mais bem pagos do ano passado, o Brasil tem dois representantes. De acordo com o levantamento da revista Stab Magazine, Gabriel Medina e Filipinho Toledo receberam quantias milionárias nos prêmios do circuito mundial de surfe.

Leia mais: Com nove brasileiros na elite, mundial de surfe tem seus competidores definidos

No topo da lista, John John Florence é o líder com R$ 19,5 milhões acumulados. Sendo o grande campeão mundial de 2016 e o vencedor do In Memory of Eddie Aikau, o havaiano fatura mais de R$ 2 mil por hora, inclusive quando está dormindo.

O segundo nome que aparece na lista é o de Medina. O local de Maresias é o principal brasileiro no ranking, com um total de R$ 17,5 milhões. Filipinho aparece na sétima colocação. No ano passado, o surfista de 21 faturou cerca de R$ 5,1 milhões.

Na oitava colocação ainda aparece a primeira mulher da lista. A cinco vezes campeã mundial Stephanie Gilmore recebeu R$ 418 mil somente de premiações nos campeonatos. O total de mais de R$ 4 milhões são complementados com os patrocinadores, que incluem empresas de vestuário, relógio e automóveis. Além da australiana de Snapper Rocks, outros locais se destacam na quarta e décima colocação, Mick Fanning e Jack Freestone respectivamente.

Leia mais: Surfista é atacado na Flórida enquanto usava pulseira 'repelente' de tubarão

Confira os 10 surfistas que mais faturaram em 2016:

1º John John Florence (HAV): R$ 19,5 milhões

2º Gabriel Medina (BRA): R$ 17,5 milhões

3º Jordy Smith (AFR): R$ 9,6 milhões

4º Mick Fanning (AUS): R$ 8,9 milhões

5º Kolohe Andino (EUA): R$ 8,3 milhões

6º Julian Wilson (AUS): R$ 7,3 milhões

7º Filipe Toledo (BRA): R$ 5,1 milhões

8º Stephanie Gilmore (AUS): R$ 4,4 milhões

9º Carissa Moore (HAV): R$ 3,5 milhões

10º Jack Freestone (AUS): R$ 3,2 milhões

Leia mais: WSL divulga calendário 2017 do mundial de surfe

Por fim, a revista ainda destaca que nos valores divulgados, não estão incluídos impostos, valores com treinadores, viagens, advogados e dispesas diversas.

Tyler Wright, campeã mundial em 2016, recebeu quase a mesma quantia em premiações que o campeão masculino, John John Florence. Inclusive os R$ 483 mil do título. No entanto, Tyler não entra na lista devido à sua renda do patrocínio.

O brasileiro Medina possui mais de oito patrocinadores e estima-se que somente o valor de três deles possa atingir R$ 2,4 milhões todos os anos. Em prêmios de campeonatos, no ano passado o surfista recebeu R$ 908 mil.

    Leia tudo sobre: surfe