Tamanho do texto

Etíope Belahy Bezabh venceu a prova masculina em 2018. Sandrafelis Tuei, do Quênia, ultrapassou a compatriota Pauline Kamulu na reta final e venceu

São Silvestre de 2018 foi a 94ª edição da corrida
Sergio Barzaghi/GazetaPress/Divulgação
São Silvestre de 2018 foi a 94ª edição da corrida

Nesta segunda-feira, na cidade de São Paulo, aconteceu a 94ª edição da tradicional Corrida Internacional de São Silvestre, que contou com aproximadamento 30 mil corredores. A prova de 15 quilômetros, sempre realizada no dia 31 de dezembro, fecha oficialmente o ano esportivo no Brasil.

Leia também: Americano de 70 anos bate recorde mundial na maratona de Jacksonville

A categoria "Cadeirante" da São Silvestre  de 2018 teve largada às 08h20 (horário de Brasília), enquanto o pelotão de elite feminino saiu às 08h40. Logo em seguida, às 09h05, foi a vez da largada do pelotão de elite masculino e atletas da categoria geral. 

E todos os 10 integrantes do pódio, tanto no masculino quanto no feminino, foram atletas africanos: os cinco primeiros homens e as cinco primeiras mulheres.

O etíope  Belahy Bezabh  superou o compatriota Dawit Admasu na reta final e chegou na frente, conquistando o seu primeiro título - ele havia ficado na segunda colocação no ano passado. Campeão de 2017, Admasu buscava o tricampeonato e teve que se contentar com o segundo lugar no pódio.

Etíope Belahy Bezabh venceu a São Silvestre de 2018
Djalma Vassão/Gazeta Press
Etíope Belahy Bezabh venceu a São Silvestre de 2018

O melhor brasileiro foi Giovani dos Santos, oitavo colocado. A última vez que um atleta do Brasil venceu a competição foi Marilson dos Santos, em 2010.

"Como sempre foi a mesma coisa. Determinação, garra e disciplina. Muita gente apoiando, mas o importante é acreditar e creio que o Brasil ficou na torcida. Quando eu subi a Avenida Paulista, era como se eu estivesse em primeiro lugar, por causa da torcida. Como diz o professor Muricy Ramalho, aqui é trabalho", disse Giovani em entrevista à TV Gazeta.

Classificação masculina

  1. Belahy Bezabh (Etiópia) - 45min03s
  2. Dawit Admasu (Etiópia) - 45min06s
  3. Amdework Walelegn (Etiópia) - 45min13s
  4. Emmanuel Gisamoda (Tanzânia) - 45min23s
  5. Maxwell Rotich (Uganda) - 45min45s

Leia também: Após doping, Brasil fica com bronze no atletismo dos Jogos Olímpicos 2008

A grande vencedora na prova feminina foi a jovem queniana  Sandrafelis Tuei , de 20 anos de idade, que ultrapassou a compatriora Pauline Kamulu nos metros finais da corrida, já no fim da subida da Brigadeiro - vale ressaltar que Kamulu liderou o percurso de ponta a ponta e perdeu gás no fim, ficando em segundo.

Queniana Sandrafelis Tuei venceu a prova feminina da São Silvestre de 2018
Djalma Vassão/Gazeta Press
Queniana Sandrafelis Tuei venceu a prova feminina da São Silvestre de 2018

O pódio foi todo africano, dominado por Quênia e Etiópia. Jenifer Nascimento Silva terminou como a melhor brasileira, na oitava posição. A última brasileira que venceu a São Silvestre foi Lucélia Peres, em 2006.

"Fico muito feliz. Vinha de uma temporada muito produtiva e com esforço consegui um resultado muito bom, melhor do que a última vez que participei. Aos poucos, a gente vai evoluindo, crescendo para sempre chegar lá na frente", disse Jenifer à TV Gazeta.

Classificação feminina

  1. Sandrafelis Tuei (Quênia) - 50min02s
  2. Pauline Kamulu (Quênia) - 50min19s
  3. Mestawut Truneh (Etiópia) - 52min45s
  4. Esther Kakuri (Quênia) - 52min47s
  5. Birthukan Alemu (Etiópia) - 53min06s

Na prova de cadeirantes, o vencedor na categoria masculina foi Heitor Mariano dos Santos, cravando o tetracampeonato. Entre as mulheres, a grande campeã foi Vanessa Cristina de Souza, conquistando o bicampeonato.

Percurso detalhado da São Silvestre

Corrida de São Silvestre nas ruas de São Paulo, sempre no dia 31 de dezembro
Divulgação
Corrida de São Silvestre nas ruas de São Paulo, sempre no dia 31 de dezembro

A largada da corrida aconteceu na Avenida Paulista, na altura do número 2000, na esquina com a Rua Augusta, com a chegada acontecendo na mesma avenida, no número 900. Confira quais foram as vias dos 15 quilômetros da prova:

  • Av. Dr. Arnaldo
  • Rua Maj. Natanael
  • Rua Des. Paulo Passalaqua
  • Av. Pacaembu
  • Viaduto Gal. Olímpio Silveira: passagem
  • Av. Dr. Abrahão Ribeiro
  • Av. Norma Giannotti
  • Av. Rudge
  • Viaduto Orlando Murgel
  • Av. Rio Branco
  • Av. Ipiranga
  • Av. São João
  • Alameda Barão de Limeira
  • Av. Duque de Caxias
  • Rua Rego Freitas
  • Rua Gal. Jardim
  • Rua Bento Freitas
  • Largo do Arouche
  • Av. Vieira de Carvalho
  • Praça da República
  • Av. Ipiranga
  • Av. São João
  • Rua Conselheiro Crispiniano
  • Praça Ramos de Azevedo
  • Rua Xavier de Toledo
  • Viaduto Nove de JulhoViaduto Jacareí
  • Rua Santo Amaro: troca de mão
  • Rua Maria Paula
  • Av. Brig. Luis Antônio
  • Av. Paulista

A 94ª Corrida de São Silvestre teve um esquema especial de acesso à largada e chegada, visando assegurar maior facilidade aos atletas oficialmente inscritos e informar ao público que pretendia acompanhar a corrida.

No período das 5h às 10h da manhã foram permitidos apenas atletas com número de peito, com os seguintes acessos: Alameda Santos, Rua São Carlos do Pinhal, Rua Frei Caneca, Alameda Ministro Rocha Azevedo, Rua Peixoto Gomide, Rua Plínio Figueiredo e Alameda Casa Branca.

A dispersão aconteceu a partir da Rua Joaquim Eugênio de Lima até a Alameda Itapeva.  Todas as áreas foram restritas a corredores oficialmente inscritos e usuários locais. Não foi permitida a presença de acompanhantes ou carrinhos e outros itens que não faziam parte do evento. 

Leia também: Atleta supera depressão com ajuda de corrida e sonha em disputar Paralimpíada

Antes do evento, o Comitê Organizador pediu que atletas sem inscrição não fossem ao local, pois não havia como dimensionar os serviços e o consumo excessivo poderia gerar a falta de serviços e hidratação para os inscritos. E destacou que essas dinâmicas foram implantadas para melhor atender aos atletas inscritos oficialmente.

A infraestrutura da São Silvestre  foi dimensionada para o número oficial de inscritos, cerca de 30 mil, não contemplando serviços a atletas sem inscrição (os famosos "pipocas"). Foram sete postos de água, com volume que atendeu somente aos inscritos. Como consta em regulamento, não houve serviços extras e hidratação excedente para atletas sem inscrição.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.