Tamanho do texto

Pela primeira vez Diego falou sobre sua sexualidade durante entrevista. O ginasta de 32 anos quer ajudar outros homossexuais com seu depoimento

ginasta diego hypolito
Reprodução
Diego Hypolito é referência do solo na ginástica brasileira

Multicampeão no solo, o brasileiro Diego Hypolito comentou nesta quarta-feira (08) sobre um assunto que nunca tinha se posicionado anteriormente: sua sexualidade.

Leia também:  PSG não quer manter Buffon e deve trazer Trapp de volta, goleiro do Frankfurt

Em entrevista ao UOL Esporte, Diego Hypolito se assumiu homossexual e falou sobre a dificuldade de contar sua opção sexual para a família, seus colegas de profissão e de assumir para si mesmo que isso não era uma vergonha.

“Fui criado na igreja, tenho uma tatuagem de Jesus crucificado no braço, até hoje frequento cultos da Bola de Neve todas as quintas-feiras. Eu tinha vergonha porque na minha cabeça ser gay era ser um demônio”, disse Diego.

Ele revela que aos 10 anos um treinador indagou sua mãe a respeito dele ser gay , mas nessa época ainda não entendia sobre o assunto. Foi somente aos 19 anos que conseguiu se abrir com o amigo Michel Conceição, também ginasta, sobre sua opção sexual.

“Por mais que todo mundo tenha a impressão de que tem muito gay na ginástica, não tem. Todo mundo me zoava, zombava do meu jeito”, confessou.

A família de Diego só descobriu que ele era gay depois que o próprio enviou uma mensagem de texto para sua mãe no ano de 2014. O pai e a irmã, a ex-ginasta Daniele Hypolito, reagiram bem, porém a mãe ‘não foi muito gentil’. Hoje, Diego e sua mãe se entendem e segundo ele, ela o “aceita como eu sou”.

“Foram anos e muita terapia. Acho que meu exemplo pode fazer com que muitos garotos que hoje estão sofrendo deixem de sofrer. Muitos não se aceitam como são ou não são aceitos pela família e têm pensamentos suicidas por não conseguirem corresponder às expectativas dos outros”, disse.

Além do drama de esconder sua sexualidade , Diego também comentou na entrevista para o Uol sobre a síndrome do pânico que teve antes de disputar os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

“Eu caí duas vezes em duas Olimpíadas, uma vez de cara, outra de bunda no chão, e enfrentei uma síndrome do pânico. Consegui a prata na Rio 2016 [solo] contrariando as expectativas de todo mundo, menos as minhas. Realizei meu sonho e virei exemplo de superação para muita gente. Tenho muito orgulho do que fiz”, finalizou.

Leia também: Bolsonaro assina termo de compromisso para Fórmula 1 voltar ao Rio

Aos 32 anos, Diego Hypolito tem uma medalha de prata em Olimpíadas, foi bicampeão de solo no Campeonato Mundial e conquistou 69 medalhas em Copas do Mundo de Ginástica Artística entre solo e salto sobre o cavalo.