Tamanho do texto

Formada para a Olimpíada do Rio em 2016, a equipe de refugiados tem como objetivo principal conscientizar sobre o problema de imigração no mundo.

Equipe de Refugiados que disputou as Olimpíadas no Rio em 2016
Reprodução
Equipe de Refugiados que disputou as Olimpíadas no Rio em 2016

Durante reunião em Buenos Aires, o Comitê Olímpico Internacional – COI anunciou que montará uma equipe de refugiados para disputar a Olimpíada de Tóquio, em 2020. Será a segunda vez que os Refugiados poderão competir com a bandeira da entidade.

Leia também:  Depois de recorde, a surfista Maya Gabeira pode se aposentar. Entenda

O corredor Yiech Pur Biel, Representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados-ACNUR e que integrou a Equipe de Refugiados na Rio 2016 na prova de 800m do atletismo, estava presente no evento e subiu ao palco para discursar.

“É uma grande honra pra mim estar aqui. É uma oportunidade única de aproveitar o que já foi alcançado e ter uma segunda equipe olímpica de refugiados em Tóquio 2020”, disse ele. A equipe de 2016, que Biel fez parte, foi composta de dois nadadores, dois judocas, um maratonista e cinco corredores de meia distância, vindos da Síria, Congo, Etiópia e Sudão do Sul.

“Em 2016 a equipe capturou a imaginação de pessoas em todo o mundo e mostrou o lado humano da crise global de refugiados por meio do esporte. Estou muito feliz que esta tradição continue em Tóquio. Dar a esses jovens excepcionais a oportunidade de competir nos mais altos níveis é admirável”, disse o Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados, Filippo Grandi.

Leia também:  Para melhorar campeonato, clubes pretendem dividir renda na Holanda

A nadadora Ysra Mardini, Embaixadora da Boa Vontade do ACNUR, disse que a decisão desta reunião dará aos refugiados uma nova chance de sonhar. "Estou orgulhosa de ter representado a equipe olímpica de refugiados uma vez e estou muito feliz que uma equipe possa competir em Tóquio novamente", disse ela. “Vou trabalhar o máximo que puder para ganhar uma vaga na equipe. Desejo boa sorte a todos os outros atletas refugiados do mundo ”.

O presidente do COI, Thomas Bach, também se pronunciou. " Em um mundo ideal, não precisaríamos ter uma equipe de refugiados nos Jogos Olímpicos. Mas, infelizmente, as razões pelas quais criamos uma equipe olímpica para refugiados antes da Olimpíada Rio 2016 continuam a persistir ".

A ideia do COI de formar a equipe de refugiados era aumentar a conscientização sobre o assunto da imigração. Nesta semana, o Comitê também anunciou a primeira edição de Jogos Olímpicos na África . O evento voltado à Juventude acontecerá em Senegal, na cidade de Dakar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.