Tamanho do texto

Olimpíadas de Inverno de PyeongChang, na Coreia do Sul, vai contar com novidades e números inéditos

Jogos Olímpicos de Inverno em PyeongChang, na Coreia do Sul
Reprodução
Jogos Olímpicos de Inverno em PyeongChang, na Coreia do Sul

No dia 9 de fevereiro de 2018 PyeongChang, na Coreia do Sul vai receber a 23ª edição dos Jogos Olímpicos de Inverno. Com quase 3 mil atletas de 92 diferentes países, terá 15 disciplinas de sete modalidades esportivas, com 102 finais. Além disso a edição sul-coreana será a maior já realizada em toda a história, reservando muitas curiosidades e controvérsias interessantes.

LEIA TAMBÉM: Olimpíada de Inverno em 2018, na Coreia do Sul, pode ser a mais fria em 20 anos

Dentre os fatos curiosos dos Jogos Olímpicos de Inverno estão a polêmica política e histórica envolvendo as Coreias do Sul e do Norte até o escândalo de doping de atletas da Rússia. O evento de PyeongChang, terá, inclusive, a reedição na vida real do filme "Jamaica abaixo de zero".

Confira 10 curiosidades sobre os Jogos Olímpicos de Inverno:

1 - O maior evento de inverno de todos os tempos: Com 2.925 atletas de 92 países, a edição de 2018 dos Jogos de Inverno será a maior de toda a história da competição. Os números de PyeongChang superam os de 2014, em Sochi, na Rússia, onde estiveram 2.858 competidores de 88 nações.

2 - Acordo histórico entre as Coreias: Um acordo entre a Coreia do Sul e do Norte entrou para a história. Apesar de todo o conflito que envolve os dois países, a do Norte vai disputar o torneio e enviará 22 atletas de três modalidades e cinco disciplinas diferentes para PyeongChang. Além disso, os dois países vão formar uma única equipe no hóquei feminino, que terá 12 jogadoras do Norte e 11 do Sul.

LEIA TAMBÉM: Coreias vão desfilar juntas na abertura das Olimpíadas de Inverno

3 - Rússia parcialmente banida: A edição da Coreia do Sul será marcada pela ausência da Rússia na competição devido aos escândalos de doping que atingiram o país em 2016. De 30 a 35 atletas russos poderão disputar os Jogos em cinco categorias, mas sob bandeira neutra.

4 - Cerimônia de abertura mais fria dos últimos 20 anos: A cerimônia de abertura da competição vai acontecer no estádio Olímpico de PyeongChang, mas, como o local não é coberto, o público enfrentará uma sensação térmica de -14ºC. Para evitar que os visitantes sofram hipotermia, a Coreia do Sul adotará uma série de medidas, como a distribuição de cobertores.

5 - PyeongChang ou Pyeongchang?: Em janeiro de 2016, para que turistas e atletas não viajassem por engano a Pyongyang, capital da Coreia do Norte, a prefeitura mudou a grafia do nome de PyeongChang, que antes era escrito com "c" minúsculo.

6 - "Time Brasil" com 10 atletas: Os esportes disputados nos Jogos de Inverno não são tão comuns no Brasil. Mas ainda assim, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) vai enviar 10 atletas em cinco modalidades para a Coreia do Sul. O país terá representantes no snowboard, na patinação artística, no esqui alpino e de fundo e no bobsled.

LEIA TAMBÉM: COI abre portas para atletas norte-coreanos nos Jogos de Inverno de 2018

7 - Das telonas para a vida real; Jazmine Fenlator-Victorian e Carrie Russell serão as primeiras jamaicanas da história no bobsled feminino dos Jogos. O fato inédito relembra o filme "Jamaica abaixo de zero", quando o time jamaicano do bobsled masculino participa pela primeira vez das Olimpíadas de Inverno.

8 - Maior delegação da história: Com 242 atletas, os Estados Unidos vai levar a maior delegação da história dos Jogos Olímpicos de Inverno. A equipe possui 107 mulheres e 135 homens, que competirão em todas as 15 disciplinas.

9 - "Millennial" italiana: A Itália contará com 121 representantes nos Jogos de PyeongChang, incluindo 48 mulheres. Uma delas é a esquiadora Lara Malsiner, de 17 anos, que será a primeira "millennial" a integrar o time azzurro nas Olimpíadas de Inverno. Enquanto isso, o mais velho da equipe é Roland Fischnaller, 37, que competirá no snowboard.

10 - Porta-bandeira de Tonga: Ele tirou o fôlego de muitas mulheres no desfile de abertura das Olimpíadas de 2014, no Rio de Janeiro, ao aparecer carregando a bandeira de Tonga com seu corpo coberto de óleo de coco. Pita Taufatofua voltou a colocar o pequeno país da Oceania na história das Olimpíadas, desta vez nos Jogos Olímpicos de Inverno e estará em ação no esqui de fundo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas