Tamanho do texto

Camisa 10 do Brasil, no entanto, exaltou a qualidade da Argentina, mesmo sem seu principal jogador; craque também falou sobre sua nova fase

A seleção brasileira enfrenta a Argentina em amistoso nesta terça-feira, em Jeedah, na Arábia Saudita, e a defesa comandada por Tite não terá a preocupação de marcar Lionel Messi. A ausência do craque se tornou assunto entre os jogadores brasileiros e o amigo Neymar "comemorou" o fato do amigo e ex-companheiro de Barcelona não estar do outro lado.

Leia também: Arthur agradece "oportunidade" e deve ser titular do Brasil contra Argentina

Neymar concedeu entrevista ao lado do técnico Tite antes de mais um amistoso pela seleção brasileira
Pedro Martins / MoWA Press
Neymar concedeu entrevista ao lado do técnico Tite antes de mais um amistoso pela seleção brasileira

"Para quem é fã do futebol, ter Messi fora de um jogo como esse é ruim, mas para nós é bom [risos]. Mas sempre ressaltando a qualidade da Argentina, os jogadores de qualidade que estão lá. Sabemos que será um jogo muito difícil, temos que fazer nosso papel. E vamos mais uma vez buscar um resultado positivo", afirmou Neymar em entrevista coletiva ao lado do técnico da seleção brasileira .

O fato de não ter o jogador mais completo da atualidade, no entanto, não muda para o brasileiro que o clássico contra a Argentina será de alta qualidade.

"Brasil e Argentina é jogão. A gente quer vencer. Falando por mim, quero vencer sempre, sou competitivo. Independente do país que a gente esteja, queremos vencer. Treinamos para isso mesmo", disse o camisa 10.

Vale ressaltar que Messi não está fora apenas desse amistoso. Desde a eliminação argentina na Copa do Mundo da Rússia, o craque não entra em campo pela Albiceleste. A decisão foi dele mesmo, que decidiu se afastar por tempo indeterminado.

O capitão Neymar concedeu entrevista na véspera da partida da seleção brasileira contra a Arábia Saudita
Pedro Martins / MoWA Press
O capitão Neymar concedeu entrevista na véspera da partida da seleção brasileira contra a Arábia Saudita

Por fim, o craque brasileiro falou sobre a novas fase na seleção e contou que se adapta de acordo com o adversário. "Dependendo da ocasião, talvez seja necessário mudar um pouco a função. No Paris, pelas características dos meus companheiros, venho mais centralizado. Aqui, o professor Tite me permite estar na ponta e buscar o meio", disse.

Leia também: Capitão durante a Copa, Miranda aprova Neymar com braçadeira fixa: "É um líder"

"Não ficar só aberto. Eu gosto de jogar dos dois jeitos, buscar a liberdade. Fico livre. Com o passar do tempo, a gente vai buscando o melhor posicionamento. Às vezes, com a idade, vai parando em algum lugar. Mas eu tenho gás ainda para correr em qualquer lugar e farei isso sempre que possível", completou Neymar .

O técnico Tite também concedeu entrevista na véspera do clássico e, pela primeira vez desde que assumiu o comando, não revelou com antecedência a equipe titular. "Hoje eu vou deixar esse componente [mistério]. Não me sinto tão confortável, mas farei isso desta vez", afirmou o treinador.

"Eu não me sinto muito confortável, porque não é a minha praia, mas em algumas circunstâncias, é importante. Não quero, se não tenho os atletas definidos, dar ao adversário a oportunidade de conhecer a escalação, até neste momento em que não temos esquema definido. Estamos testando novos nomes, um novo esquema, então vamos deixar o adversário sem saber isso", acrescentou.

Leia também: Neymar comemora assistência e vê injustiça em cobrança sobre Gabriel Jesus

Mesmo sem ter definido oficialmente, Tite deve escalar a seleção brasileira da seguinte forma: Alisson, Danilo, Miranda, Marquinhos e Filipe Luis; Casemiro, Arthur e Renato Augusto; Philippe Coutinho, Neymar e Roberto Firmino.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.