Giggs
Divulgação
Giggs

O julgamento do ex-jogador e agora treinador Ryan Giggs, ídolo do Manchester United, por ter supostamente agredido duas mulheres, em novembro de 2020 , foi adiado novamente, agora por um motivo incomum.

Após, em janeiro, o julgamento ter sido remarcado, por conta de diversos casos de coronavírus, desta vez, foi a descoberta de amianto no porão do tribunal de Manchester que paralisou momentaneamente o caso.

O amianto é um termo que engloba seis minerais de silicato que, devido às suas propriedades, foram amplamente utilizados em construções. No entanto, sua alteração produz uma série de microfibras que entram no organismo pela respiração e podem causar doenças graves como o câncer de pulmão.

Após a detecção no porão do Tribunal, construído nos anos 60 dentro do Manchester Crown Court, a sede judicial permanecerá fechada por duas semanas para realizar testes que garantam a segurança.

Por este motivo, tendo em conta o atraso já acumulado no processo, o Tribunal de Magistrados de Manchester decidirá na próxima quinta-feira se a audiência de Giggs será transferida para outro tribunal.

Giggs é acusado de agredir sua ex-parceira, Kate Greville, e sua irmã, Emma, ​​​​em novembro de 2020. Além disso, também há acusações contra o jogador de futebol por comportamento coercitivo e controlador sobre Kate durante todo o tempo em que durou o relacionamento.

O galês se declarou inocente em várias ocasiões. A primeira quando foi libertado sob fiança com a condição de não entrar em contato com as vítimas e respeitar uma ordem de restrição. Também o fez por meio de uma declaração escrita.

Diante do caso, o ex-jogador foi retirado de suas funções como técnico do País de Gales , sendo substituído por Rob Page, que se classificou para a Copa do Mundo de 2022.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários