Joan Laporta é o novo presidente do Barcelona
Instagram/Joan Laporta
Joan Laporta é o novo presidente do Barcelona

Seis dias após uma operação policial que levou à apreensão de arquivos em seus escritórios e à prisão de quatro dirigentes do clube, o Barcelona voltou ao passado para eleger Joan Laporta como seu novo presidente, no último domingo. Ele recebeu 54,2% dos votos, contra 29,9% de seu rival mais próximo.


Laporta, advogado cujo mandato anterior como presidente do Barcelona coincidiu com a estreia de Lionel Messi no clube e inaugurou uma era de sucesso comercial e em campo, derrotou dois rivais no que rotulou de ‘eleições mais importantes da história’ do clube catalão. O que Laporta encontra no Barcelona não parece um prêmio: uma organização de bilhões de dólares, que enfrenta decisões difíceis sobre alguns de seus jogadores mais populares, uma crise financeira iminente agravada pela Covid-19 e a perda potencial de seu melhor jogador.

Os desafios mais imediatos que ele enfrenta são navegar na maior crise de dívida do futebol europeu, atualmente mais de US$ 1,3 bilhão; rebaixar a folha salarial da equipe, que atualmente é a mais alta da Europa; e evitar a perda de Lionel Messi. Laporta era o presidente do Barcelona quando Messi fez sua estreia pelo clube, há mais de uma década; agora, caberá a ele convencê-lo a ficar.

Lionel Messi ama o Barça. Somos uma grande família, um grande clube, com o melhor jogador disse Laporta em seus primeiros comentários aos torcedores, deixando poucas dúvidas de que considera como prioridade cimentar o futuro de Messi no clube.

A série de crises que se desenrolam transformou o Barcelona de um modelo de sucesso comercial e esportivo para, às vezes, o ponto alto de uma piada de mau gosto.

— Queremos a alegria e a felicidade de estar de volta a este clube. A melhor coisa que você pode fazer pelo Barça é amá-lo — disse Laporta, em um apelo direto aos sócios.

O antecessor de Laporta, Josep María Bartomeu, renunciou em outubro, pouco antes de uma votação para destituí-lo. Naquela época, dos 140 mil membros do Barcelona, mais de 20 mil entregaram formulários assinados à mão pedindo sua expulsão. Na última semana, foi detido pela polícia como parte da investigação dos assuntos internos da equipe. Mesmo em meio à turbulência, o comparecimento de Bartomeu para dar seu voto presencial, no domingo, representou o tipo de ethos curioso de um torcedor, um voto do qual o Barcelona se orgulha.

A eleição foi atrasada pelas constantes repercussões da pandemia. As restrições às reuniões de massa exigiram que o Barcelona mudasse seu processo de votação, espalhando as seções eleitorais por toda a Catalunha e permitindo o envio de votos pelo correio pela primeira vez em sua história. Mesmo assim, milhares de sócios do clube ainda compareceram pessoalmente para votar durante as 12 horas reservadas para a eleição.

Você viu?

Ao escolher Laporta, os membros do Barcelona optaram por um candidato do qual muitos se lembram com carinho. Como presidente do Barcelona de 2003 a 2010, ele marcou o início de uma década de ouro de sucesso para o clube centenário.

A decisão de promover Pep Guardiola de seu papel como treinador do time B do Barcelona para assumir o comando da equipe titular, em 2008, provou ser um golpe de mestre. Guardiola reconstruiu o Barcelona em torno de talentos locais, como Messi, e os combinou com estrelas já estabelecidas para produzir uma marca de futebol que cativou o público em todo o mundo.

O clube arrecadou mais de uma dúzia de troféus sob o comando de Guardiola, incluindo três títulos espanhóis e duas vitórias na Liga dos Campeões, a competição de clubes mais rica e premiada do futebol europeu. Com a atual equipe, vista como envelhecida e abaixo do padrão do clube, Laporta deverá guiar um renascimento semelhante. Desta vez, as perspectivas são mais sombrias do que nunca.

Desde junho, a equipe tem que lidar com o impacto descomunal que o coronavírus teve em suas finanças; um escândalo envolvendo uma campanha de mídia social financiada por um clube que teve como alvo os rivais de Bartomeu, incluindo vários jogadores populares; uma saída humilhante da Champions League;  um desentendimento público entre Messi e Bartomeu, que quase levou à saída de Messi antes da temporada; e, mais recentemente, a batida policial nos escritórios do Barcelona, que resultou na prisão de quatro funcionários da equipe.

O novo presidente enfrenta o duplo desafio de manter o clube à tona e, ao mesmo tempo, cumprir as promessas de mantê-lo competitivo não apenas com rivais domésticos, como Real Madrid e Atlético Madrid, mas também adversários estrangeiros com grandes bolsos, como Manchester City,  Paris St.-Germain, Liverpool, Chelsea e Manchester United, muitos deles financiados por Estados-nação do Golfo , oligarcas russos ou bilionários americanos .

Como um clube apoiado por membros, o Barcelona não tem esse luxo. Laporta terá que decidir se vai ou não seguir em frente com um plano elaborado pela equipe executiva do clube e pelo Goldman Sachs, para levantar 250 milhões de euros com a venda de uma cesta de ativos do clube para investidores externos. A mudança seria incomum, provavelmente controversa, e exigiria o apoio de uma associação fragmentada pela crise recente.

A nova diretoria também precisará calibrar as expectativas do apoiador e reverter o curso de um estilo de gestão - inclusive por Laporta durante a anterior - que atraiu críticas por priorizar recompensas de curto prazo, na forma de gastos extravagantes e contratações populares.

Ele também terá que restaurar a reputação maltratada do clube. Em uma conferência de negócios esportivos organizada pelo "Financial Times", no mês passado, o presidente executivo da Bundesliga da Alemanha, Christian Seifert, mirou no Barcelona e em seu rival, Real Madrid, por causa de seus hábitos de consumo.

— Esses chamados superclubes são, na verdade, mal gerenciados. Máquinas de torrar dinheiro que não foram capazes de, em uma década de crescimento incrível, se aproximar de um modelo de negócios sustentável — disse Seifert.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários