Tamanho do texto

No último dia 06 de junho duas mulheres foram agredidas e presas ao tentar assistir ao jogo entre Irã x Síria num estádio da cidade de Teerã

mulheres na torcida do irã
Reprodução
Mulheres são proibidas de entrar nos estádios do Irã há 40 anos

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, enviou uma carta à federação iraniana de futebol para que as mulheres do país possam entrar nos estádios para assistirem as partidas das Eliminatórias para Copa do Mundo de 2022.

Leia também:  Para celebrar a amizade, River Plate lança uniforme em homenagem ao Torino

De acordo com a BBC, o presidente da Fifa repreendeu o país pelo episódio do início do mês em que duas torcedores iranianas foram agredidas e presas por seguranças ao tentarem entrar num estádio no Teerã para assistir ao amistoso entre Irã x Síria.

No começo do ano passado a federação iraniana tinha se comprometido com a entidade máxima do futebol mundial em liberar as mulheres nos estádios . O acordo foi firmado em março e Infantino não gostou do descumprimento.

“Isso não está em linha com os compromissos assumidos em março de 2018 pelo presidente Rohani, que nos assegurou que havia importantes progressos a implementar, rapidamente”, escreveu o suíço. O restante do conteúdo da carta não foi divulgado pela BBC.

Mulheres no Irã

Há 40 anos, desde a Revolução Islâmica, as leis do Irã proíbem que mulheres frequentem estádios de futebol. O país tem um governo extremamente duro e repressor com as mulheres.

Além de não poderem entrar em estádios, as mulheres também não podem sair às ruas sem o hijab – pano que cobre o rosto – e nem usar adereços que revelem alguma parte de suas feições. Caso contrário, são punidas com multas e até detenções.

Mesmo com as proibições, as mulheres do Irã têm se unido para lutar contra o governo e protestos públicos estão cada vez mais comuns no país. Elas também tentam entrar nos estádios vestidas de homem.

Leia também:  Fifa suspende cartão amarelo para goleiras em disputa de pênaltis no Mundial

Apesar do envio da carta, a Fifa não se pronunciou sobre qualquer punição ao Irã por quebrar o acordo em relação as mulheres.