Tamanho do texto

Caso aconteceu no último sábado (26) na sexta divisão da Itália. O presidente do Serino tirou o time de campo após o árbitro da partida mandar o goleiro Gueye Ass, que é senegalês, 'calar a boca' e chamá-lo de 'negro'

O goleiro do Serino, o senegalês Gueye Ass foi alvo de racismo em jogo da sexta divisão
divulgação/ Serino Calcio
O goleiro do Serino, o senegalês Gueye Ass foi alvo de racismo em jogo da sexta divisão

Mais um episódio de discriminação racial marcou o futebol italiano no último sábado (26). Donato Trotta, presidente do Serino, time que disputa a divisão Promozione, que equivale à sexta divisão, tirou sua equipe de campo após um caso de racismo envolvendo o árbitro do jogo e o goleiro do time.

Leia também: Cobiçado pelo PSG, meia brasileiro Allan ficará no Napoli, garante Ancelotti

Na partida diante do Real Sarno, pela 20ª rodada do torneio, o goleiro do Serino, o senegalês Gueye Ass Dia, de 25 anos, foi alvo de racismo por parte do árbitro do jogo, após o jogador ter reclamado do gol de empate do time adversário, alegando que estava impedido.

O juiz, por sua vez, mandou Ass "calar a boca" e depois chamou o goleiro de "negro". Ciente das ofensas, Trotta entrou em campo e pediu para sua equipe se retirar do gramado.

"Vendo o meu jogador em lágrimas enquanto ele estava indo para o vestiário, eu decidi retirar a equipe do campo, porque eu não permito que ninguém pise na dignidade dos meus garotos e especialmente na minha. Peço também imediatamente uma investigação federal", disse Trotta à ANSA .

Além de Ass, também foram expulsos no confronto o treinador, o diretor esportivo e um zagueiro do Serino. "A discriminação e as ofensas são cada vez mais frequentes. Temos que parar o campeonato por uma rodada. Estamos preparando um banner que enviaremos para todas as equipes do grupo para exibição nos estádios", afirmou Trotta.

Leia também:  Santos é superior em clássico e derrota o São Paulo por 2 a 0 no Pacaembu

O Serino voltará a campo no próximo sábado (2), para enfrentar o San Vitaliano, em Nápoles.

O racismo recorrente na Itália

Cartazes foram distribuídos pela torcida do Napoli com o rosto do zagueiro Koulibaly que sofreu racismo em partida contra a Inter de Milão
Reprodução
Cartazes foram distribuídos pela torcida do Napoli com o rosto do zagueiro Koulibaly que sofreu racismo em partida contra a Inter de Milão

E não é só na sexta divisão do futebol italiano que acontecem ofensas racistas. Em dezembro o zagueiro Koulibaly, do Napoli, sofreu com os cantos discriminatórios de parte da torcida da Inter de Milão durante uma partida da Série A.

Abalado, o zagueiro acabou sendo expulso no fim do jogo e ainda levou suspensão de dois jogos no campeonato. O Napoli entrou com recurso para que a punição fosse reduzida, mas não obteve êxito.

Recentemente o jogador deu uma entrevista ao site do Napoli e disse que, apesar de considerar um prazer ser um símbolo da luta contra o racismo , lamentava ter que combater o preconceito racial ainda em 2019 .

    Leia tudo sobre: Futebol