Tamanho do texto

O atacante português aceitou pagar R$ 80 milhões para a Justiça e encerrar o processo de fraude fiscal que sofria desde 2017 na Espanha

Cristiano Ronaldo admitiu crimes fiscais cometidos em sua época de Real Madrid
AS.com
Cristiano Ronaldo admitiu crimes fiscais cometidos em sua época de Real Madrid

O astro português Cristiano Ronaldo chegou nesta terça-feira (22) a um acordo para pagar 18,8 milhões de euros (cerca de R$ 80 milhões) e encerrar o processo de fraude fiscal ao qual respondia na Espanha, referente ao período em que residia no país.

Leia também: Polícia dos EUA pede DNA de Cristiano Ronaldo para investigar caso de estupro

Cristiano Ronaldo , de 33 anos e atualmente jogador da Juventus, foi acusado de não declarar impostos relacionados a 28 milhões de euros que recebeu como direito de imagem entre os anos de 2011 e 2014, quando defendia o Real Madrid .

Cristiano Ronaldo sai sorridente após fazer acordo com a Justiça da Espanha
Reprodução / Getty Images
Cristiano Ronaldo sai sorridente após fazer acordo com a Justiça da Espanha

Leia também: Mais polêmica! Ex de Cristiano Ronaldo o acusa de ser 'perseguidor e psicopata'

A sonegação gerou um prejuízo de 14,8 milhões de euros ao fisco espanhol. Em 2017, as autoridades espanholas apontaram que Ronaldo teria criado empresas nas Ilhas Virgens para sonegar os impostos.

O jogador compareceu nesta manhã a um tribunal de Madri para a audiência, que durou menos de uma hora. Ele admitiu que é culpado por quatro crimes de fraude fiscal e aceitou o acordo negociado com a Promotoria. Vestido todo de preto e com óculos escuros, o português estava acompanhado de sua namorada, Georgina Rodríguez.

As autoridades espanholas negaram o pedido do jogador de comparecer à audiência via chamada de vídeo e também de chegar ao prédio pelo estacionamento, escapando da imprensa.

Leia também: Agora do mesmo lado, Chiellini diz: "CR7 destruiu meus sonhos várias vezes"

Cristiano Ronaldo  foi condenado uma multa de 18,8 milhões de euros, além de uma pena de prisão de 23 meses, mas a qual não será cumprida devido aos antecedentes criminais e à cláusula na Justiça espanhola que evita detenção menor de dois anos.


    Leia tudo sobre: Futebol