Tamanho do texto

"A mulher que antes não podia ir ao estádio agora pode", ponderou o presidente do Comitê Olímpico Nacional Italiano (Coni), Giovanni Malagò

O presidente do Comitê Olímpico Nacional Italiano (Coni), Giovanni Malagò, defendeu nesta segunda-feira (7) a realização da Supercopa Italiana, entre Juventus e Milan, em Jidá, na Arábia Saudita, país que é acusado de violar os direitos humanos de sua população, especialmente das mulheres.

Leia também: Chanceler minimiza polêmica sobre final da Supercopa Italiana na Arábia Saudita

Giovanni Malagò defendeu a decisão da Supercopa Italiana ser disputada na Arábia Saudita
Divulgação
Giovanni Malagò defendeu a decisão da Supercopa Italiana ser disputada na Arábia Saudita

Segundo o cartola, as críticas à organização da Supercopa Italiana , que é responsabilidade da Lega Serie A, representam o "triunfo da hipocrisia". "A melhor oferta foi a da Arábia Saudita, a licitação foi feita em julho de 2018. O problema surgiu com o caso dos bilhetes, a mulher que antes não podia ir ao estádio agora pode, em determinados setores", disse.

"Lembro ainda que estamos fazendo a dança da chuva para rever a seleção na próxima Copa do Mundo, que será no Catar, um país que tem leis até mais restritivas que a Arábia Saudita", acrescentou.

A Supercopa na Arábia Saudita já era alvo de críticas desde o ano passado, após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado do país em Istambul, mas as reclamações ganharam força no início de 2019, em função da segregação das mulheres.

Leia também: Para Samuel Eto'o, treinadores negros são vistos como "seres de segunda classe"

O público feminino foi autorizado a acompanhar partidas de futebol em estádios na Arábia Saudita em janeiro de 2018, mas apenas em setores reservados e destinados às famílias, e o duelo entre Juventus e Milan  não será exceção.

Enquanto homens poderão comprar bilhetes para os setores mais próximos ao gramado no King Abdullah Sports City, as mulheres terão de se contentar com os anéis superiores.

"É um paradoxo que a final da Supercopa seja na Arábia Saudita, com véus e burcas. Como torcedor, não assistirei à partida", disse nesta segunda o ministro do Interior Matteo Salvini, torcedor do Milan, que chamou também a decisão de "nojenta" .

Já no último sábado, o chanceler italiano Enzo Moavero minimizou todas as polêmicas que envolve o país. De qualquer forma, a final da Supercopa Italiana entre Juventus e Milan está marcada para o dia 16 de janeiro.

    Leia tudo sobre: futebol