Tamanho do texto

Kalidou Koulibaly foi alvo de racismo durante partida entre Inter de Milão e Napoli, mas Matteo Salvini minimizou a situação

O ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, minimizou nesta quinta-feira (27)  os episódios de racismo e preconceito durante a partida da última quarta (26) entre Inter de Milão e Napoli, no San Siro, válida pela 18ª rodada da Série A.

O ministro Matteo Salvini comparou racismo contra Koulibaly, do Napoli, com
Reprodução
O ministro Matteo Salvini comparou racismo contra Koulibaly, do Napoli, com "brincadeiras saudáveis" de torcedores

Na ocasião, torcedores interistas gritaram ofensas racistas contra o franco-senegalês Kalidou Koulibaly, principal zagueiro do clube azzurro, e entoaram cânticos discriminatórios contra os napolitanos, incluindo uma música pedindo para o vulcão Vesúvio "lavá-los com fogo", coisas que o ministro minimizou.

Por conta desses episódios, a Inter foi punida com dois jogos de portões fechados no San Siro e um terceiro sem público na "curva norte", setor do estádio onde ficam suas torcidas organizadas.

Koulibaly levou duas partidas de gancho por ter sido expulso após aplaudir ironicamente o árbitro Paolo Mazzoleni, que não tomara nenhuma atitude para coibir as ofensas racistas.

"Nos estádios também cantam 'Milão em chamas'. Isso seria racismo? Não coloquemos tudo no mesmo saco, Bonucci [zagueiro da Juventus] foi vaiado pelos torcedores do Milan, isso também é racismo? A brincadeira saudável entre torcidas não pode ser considerada racismo", declarou Salvini a um programa do canal Mediaset .

Em 2009, durante um comício de seu partido, a Liga, em Pontida, o atual ministro do Interior, que é torcedor do Milan , dissera que os napolitanos "fediam". Já nesta sexta, Salvini também criticou a punição contra a Inter de Milão . "Fechar os estádios condena os verdadeiros torcedores, que devem ser distinguidos dos delinquentes", afirmou.

O ambiente das torcidas organizadas no futebol italiano tem forte influência da extrema direita e é palco de recorrentes episódios de racismo e xenofobia por todo o país. Para o primeiro-ministro Giuseppe Conte, que concedeu sua coletiva de imprensa de fim de ano nesta sexta, atos do tipo precisam ser objeto de "severas punições".

"A minha sensibilidade diz que seria necessário passar um sinal forte", acrescentou. O clássico entre Inter e Napoli também foi marcado pela morte de um torcedor nerazzurro que havia participado de uma emboscada contra uma van de napolitanos nos arredores do San Siro. Daniele Belardinelli, 35 anos, foi atropelado na tentativa de fuga dos torcedores do Napoli e não resistiu aos ferimentos.

Leia também: Ministro segue treinador e pede restrição a estrangeiros no futebol italiano

"Certas partidas não podem mais ser disputadas à noite. As de maior risco devem ser jogadas à luz do sol e com helicópteros para controlar os delinquentes", reforçou o ministro nesta sexta.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.