Ronaldinho na audiência
Reprodução
Ronaldinho na audiência

Acabou! Após mais de cinco meses presos , Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis , foram autorizados pela Justiça do Paraguai a deixar aquele país e retornar ao Brasil.

Em audiência judicial na tarde desta segunda-deira, ambos, acusados de entrar no país vizinho usando passaportes falsos, foram libertados pelo juíz Gustavo Amarilla, após o Ministério Público do Paraguai concluir as investigações e decidir não apresentar nenhuma nova denúncia contra Ronaldinho e Assis .

Assim como solicitado pelos promotores Marcelo Pecci, Alicia Sapriza e Federico Delfino, que participam da audiência preliminar e ratificam o pedido, para que o processo fosse suspenso, foi estipulado o pagamento de multas.

Para Assis ficou a quantia de R$ 614 mil. Ronaldinho foi multado em R$ 500 mil. Porém, ambos não terão que colocar a mão no bolso. Após um mês presosem um quartel da Polícia Nacional do Paraguai, ambos mudaram para prisão domiciliar ao pagar uma fiança de US$ 1,6 milhão. Agora, é desse valor que serão descontados os R$ 1,1 milhão de multa. 

Outra condição imposta pela Justiça é que Ronaldinho terá que comparecer a cada três meses no Consulado do Paraguai, no Rio de Janeiro (RJ), conforme proposto pela promotoria para o acompanhamento do processo. Isso durará um ano. Já Assis terá que fazer o mesmo, porém, por dois anos.

Os brasileiros foram presos no dia 6 de março, acusados de terem entrado no Paraguai portando documentos adulterados. Os dois admitiram esse crime, que tem como pena máxima o pagamento de multa. Porém, eles não foram liberados como o esperado, já que a Justiça concedeu prisão preventiva para que outros possíveis crimes fossem investigados.

Segundo a polícia, os passaportes falsos foram entregues ao ex-jogador e seu irmão no aeroporto de Assunção no dia 4 de março, pelo empresário Wilmondes Souza Lira, que também está preso no Paraguai. Lira era o intermediário da empresária Dalia Lopez, que está foragida e havia convidado Ronaldinho para participar de eventos sociais.

A investigação do caso resultou na prisão de diversos agentes públicos paraguaios, envolvidos num esquema de falsificação de documentos e evasão de divisas. Porém, mesmo com os celulares periciados, nada foi encontrado contra os brasileiros, que agora embarcam rumo ao Brasil.

Mesmo preso, a passagem de Ronaldinho pelo Paraguai não deixou de ser polêmica. Recentemente, foi publicado por jornais locais que diversas festas, regadas a bebidas alcoolicas e mulheres, foram realizadas na casa onde os brasileiros estavam "presos" .

    Veja Também

      Mostrar mais