paulo
Divulgação
Paulo Garcia será candidato à presidência do Corinthians

Com as eleições presidenciais marcadas para o próximo mês de novembro, o Corinthians vive dias movimentados nos bastidores, em contrapartida, a falta de jogos decorrente da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Leia também: Sem jogos, clube alemão devolve 8 mil litros de cerveja para fornecedora

Porém, enquanto alguns grupos oposicionistas ao atual comando do clube seguem se movimentando em busca de uma união, que teria como elo o nome do ex-presidente Mário Gobbi, chamava a atenção, inclusive de pessoas bastante envolvidas com o pleito, a ausência de declarações públicas do candidato Paulo Garcia, um dos favoritos a assumir a cadeira de presidente no próximo triênio.

Nessa semana, porém, em nota enviada ao iG , o empresário, que é dono da Kalunga - rede de papelarias que chegou a patrocinar o clube nas décadas de 80 e 90 -, explicou sua postura. Garcia alegou que, “em respeito ao sofrimento que todos estão passando” por conta do coronavírus , está recolhido em casa e procurando não me manifestar politicamente, apontando que não acha “oportunas discussões políticas neste momento”.

O conselheiro vitalício alegou, ainda, que está aproveitando o momento de quarentena para “aperfeiçoar um plano de governo moderno e bem profissional para, no momento oportuno, apresentar a todos”.

A atitude de não falar sobre eleição é completamente diferente da adotada pelo principal movimento de oposição, o Corinthians Grande, que é liderado pelo advogado Felipe Ezabella e hoje o principal entusiasta na candidatura de Gobbi.

Além de contar com membros sempre a postos para entrevistas e manifestações públicas, o grupo, nas últimas semanas, vem realizado “lives” nas quais abordam diversos aspectos que envolvam o clube. A última delas contou com a participação do consagrado publicitário Washington Olivetto.

Como divulgado anteriormente, os passos de Paulo Garcia estão sendo acompanhados bem de perto não só pelos oposicionistas, mas, principalmente, pelo “Renovação e Transparência”. Ainda monitorando os movimentos antes de decidir a melhor estratégia a seguir, o grupo comandado pelo atual presidente Andrés Sanchez não descarta buscar uma aliança com o dono da Kalunga, no caso de a oposição ter êxito em torno de Gobbi.

A união contra o atual comando, aliás, segue indefinida, principalmente pela grande possibilidade da existência de mais uma via oposicionista, comandada por Augusto Melo, empresário que não vem se mostrando disposto a abrir mão da candidatura e que tem o apoio do ex-vice-presidente do clube, Antonio Roque Citadini.

Leia também: Veja as personalidades esportivas que morreram de Covid-19

Caso os oposicionistas entrem no pleito fragmentados, algo que já foi visto em eleições anteriores, a quem aposte que o nome de Duílio Monteiro Alves volte a ganhar força e possa ser lançado pela chapa de situação, que está há 13 anos no comando do Corinthians. Antes favorito dentro do grupo de Andrés Sanchez, o atual diretor de futebol viu seu prestígio cair nos últimos tempos, muito em virtude do atual momento que vive o futebol alvinegro.

Alheio à questão eleitoral, Paulo Garcia também aproveitou a sua primeira manifestação pública para mostrar-se solidário a todos que de alguma maneira tenham sido afetados pela pandemia do Covid-19 , “especialmente os amigos do Corinthians”. “Peço que sigam as recomendações dos especialistas da área da saúde, para que todos saiamos bem dessa pandemia e possamos em um futuro próximo dar a atenção devida que nosso Corinthians merece e precisa”, pontuou.

Ao encerrar a nota, o empresário pediu saúde a todos os sócios, conselheiros, diretores, adversários políticos e eleitores, para que todos possam “estar o mais breve possível juntos de volta ao convívio”, e, assim, “arquitetar o que de melhor cada um possa fazer para o engrandecimento de nosso clube”.

Leia também: Neymar fica fora de lista dos 3 melhores do Campeonato Francês

Paulo Garcia foi o segundo colocado na última eleição. Em um dos pleitos mais disputados da história do alvinegro, Andrés Sanchez somou 1.235 votos (33,9%) e ficou à frente do dono da Kalunga, que teve 832 (22,8%). Antônio Roque Citadini, terceiro com 803 (22%); Felipe Ezabella, quarto com 461 (12,6%); e Romeu Tuma Júnior, o quinto com 278 (7%), completaram a lista. Houve ainda 18 votos nulos e 13 em branco, totalizando 3.642.

    Veja Também

      Mostrar mais