Tamanho do texto

Edison Brittes foi condenado a pagar R$ 5 mil mensais para filha de Daniel, que está com dois anos de idade

Edison Brittes, assassino de Daniel arrow-options
Reprodução
Edison Brittes, assassino de Daniel

Por decisão da Justiça, Edison Brittes terá de arcar mensalmente com R$ 5 mil para a filha do jogador Daniel Correa , assassinado em outubro no ano passado.

Leia também: Avó do jogador Daniel ainda não sabe que o neto morreu assassinado

O martelo foi batido pela juíza Márcia Hübler Mosko, da 3ª Vara de São José dos Pinhais, de Curitiba, e obriga que o assassino confesso banque a pensão para a criança, atualmente com dois anos e sete meses.

A liminar foi oficializada nesta quarta-feira e foi um pedido da mãe da menina, Bruna Larissa Ferreira Martins. A decisão, no entanto, ainda cabe recurso por parte do acusado e sua defesa.

RELEMBRE O CASO

Daniel mandou fotos ao lado de Crtistiana Brittes logo após gravar um áudio para amigo arrow-options
Reprodução
Daniel mandou fotos ao lado de Crtistiana Brittes logo após gravar um áudio para amigo

Edison Brittes assumiu, em depoimento à polícia, ter matado o jogador Daniel Correia, de 24 anos. O caso aconteceu na madrugada do dia 27 de outubro do ano passado, na casa de Brittes, em Curitiba. Edison alegou que defendia a esposa de suposto estupro de Daniel, que estava no quarto do casal.

Leia também: Em liberdade, Cris Brittes não quer voltar à casa onde Daniel foi espancado

Para a Polícia Civil e o Ministério Público, não houve estupro. A Justiça do Paraná convocou os sete réus do caso, incluindo a família Brittes, para uma nova bateria de interrogatórios.

Os novos interrogatórios irão definir se os sete réus irão a júri popular ou não para que suas sentenças definitivas sejam proclamadas judicialmente. Daniel estava atuando no São Bento, emprestado pelo São Paulo. O jogador também tem passagens por Coritiba e Botafogo.

Os acusados

Allana Brittes e Cris Brittes arrow-options
Reprodução
Allana Brittes e Cris Brittes

Em 29 de novembro de 2018, a Justiça do Paraná decretou a prisão preventiva de seis pessoas. Ainda há uma sétima ré: Evellyn Brisolla Perusso, com quem Daniel "ficou" naquela noite e cometeu falso testemunho, que responde em liberdade. Allana, Cristiana, David William Vollero, Eduardo Henrique da Silva e Ygor King também respondem em liberdade.

  • Edison Brittes Júnior : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor e coação no curso do processo;
  • Cristiana Brittes : acusada de homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de menor. Ela responde em liberdade;
  • Allana Brittes : acusada de coação no processo, fraude processual e corrupção de adolescente. Ela conseguiu habeas corpus e responde em liberdade;
  • Ygor King : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor. Responde em liberdade;
  • Eduardo Henrique da Silva : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor. Ele é primo de Cris Brittes e responde em liberdade;
  • David William Vollero Silva : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e denunciação caluniosa. Responde em liberdade;
  • Evellyn Brisola Perusso : acusada de denunciação caluniosa, fraude processual, corrupção de menor e falso testemunho. Responde em liberdade.