Tamanho do texto

Alguns elementos no processo foram contra Najila Trindade, que acusa o jogador do PSG de estupro na cidade de Paris

Lance

Najila Trindade%2C a modelo que acusa Neymar de estupro em Paris arrow-options
Reprodução / Renato S Cerqueira/ Futura
Najila Trindade, a modelo que acusa Neymar de estupro em Paris

O arquivamento do caso  envolvendo o possível estupro de Neymar contra a modelo Najila Trindade , na cidade de Paris, em maio, contou com seis principais motivos para a Justiça.

Leia também: Neymar dá depoimento pesado sobre acusação de Najila: "Meu mundo desabou"

Ao seguir a recomendação do Ministério Público, segundo o UOL , alegando "não haver provas suficientes" apresentadas pela vítima, as duas promotoras que trabalham no caso Neymar encerraram a análise da acusação de estupro da modelo Najila Trindade contra o astro.

AUSÊNCIA DE LESÃO CONFIRMADA

O primeiro e mais comentado é a não existência de um vídeo que Najila teria feito na noite seguinte ao suposto crime, o que poderia comprovar o estupro. A modelo comentou sobre a gravação ao registrar o boletim de ocorrência, no entanto, Najila recusou que policiais civis baixassem o arquivo no computador.

Leia também: Najila era garota de programa? Advogado da modelo fala sobre o passado dela

Os 66 segundos de vídeo chegaram a ser exibidos pela imprensa. A modelo alegou que faria backup em todos os conteúdos, então, entregaria o aparelho. Além disso, ela argumentou possuir fotos íntimas que poderiam ser vazadas, um dos medos dela.

Neymar prestou depoimento em São Paulo arrow-options
Aloisio Mauricio/Fotoarena/Agência O Globo
Neymar prestou depoimento em São Paulo

O celular da modelo nunca foi entregue. O registro de estupro foi feito em uma sexta-feira e, durante as investigações, a acusadora mudou de residência e não informou o novo endereço. Foi necessário pedido de intimação para que Najila se apresentasse na delegacia. Cinco intimações foram enviadas.

Najila ainda afirmou que houve um arrombamento em seu apartamento, em que um iPad, onde havia cópia dos arquivos, foram levados. Ela alegou ter perdido o aparelho celular, mas não fez qualquer B.O ou avisou à Polícia Civil a possível prova. A Polícia chegou a expedir um mandado de busca e apreensão do iPad. O apartamento da modelo foi vasculhado, porém, nada foi encontrado.

PROVAS NÃO FORAM APRESENTADAS

Najila durante entrevista para TV arrow-options
Reprodução
Najila durante entrevista para TV

Outra contradição no caso foi a afirmação de Najila de que, após Neymar sair do quarto, ela teria entendido o que aconteceu e disse ter se sentido abalada. Ela teria feito uma chamada de vídeo com pessoa próxima, mas a ausência do aparelho impossibilitou a Polícia de confirmar o registro da chamada.

PESSOAS PRÓXIMAS NÃO COMENTARAM VIOLÊNCIA, CONTRADIZENDO A MODELO 

Os supostos diálogos de Najila com amigos sobre o ocorrido - ela afirmou estarem nos aparelhos - também não foram apresentados com a perda do celular. Além disso, as promotoras perceberam não haver qualquer comentário entre as pessoas ouvidas em que Najila teria mencionado violência sexual.

LAUDO MÉDICO NÃO APRESENTADO E DEPOIMENTOS

Razões médicas também não deram base à acusação de Najila. Ela se apresentou à Polícia com exames que comprovariam lesões íntimas. Mesmo sem poder dar detalhes médicos por ética na profissão, o ginecologista do exame também foi escutado no caso. 

Najila teria negado a possibilidade de apresentar o laudo com as lesões, segundo o médico. Apenas a ficha do atendimento foi liberado pela defesa da modelo. A dificuldade de serem liberadas provas para a acusação ajudaram na arquivação do caso.

NÃO TERIA LESÃO DE DEFESA

Najila deixa delegacia carregada pelo advogado arrow-options
Agência O Globo
Najila deixa delegacia carregada pelo advogado

Outro motivo seria não haver lesão de defesa contra o suposto estupro. Najila chegou ao Brasil e, ao abrir o boletim de ocorrência, estava com um dedo quebrado. Contudo, a lesão teria acontecido após ela agredir Neymar na segunda noite em que se viram, em vídeo que circulou na imprensa e fez parte da investigação.

MARCAS NAS NÁDEGAS 

Outro ponto crucial foi o diagnóstico de legistas sobre as lesões nas nádegas. Em consulta no Albert Einstein, em 24 de maio, uma semana após a suposta violência em Paris. Segundo as promotoras, são marcas de um encontro íntimo de satisfação mútua. Pesou contra a acusadora não ter citado em nenhum momento que foi obrigada a ter relações com Neymar. Ela apontou que o jogador não queira usar preservativo na relação.

Com o pedido do Ministério Público, junto a Polícia Civil, para arquivamento do processo na Justiça, Neymar não teria qualquer impedimento ou dívida com a justiça. Najila se mudou para Bahia e está sendo investigada em São Paulo, por denúncia caluniosa e tentativa de extorsão.

    Leia tudo sobre: futebol